Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
Nos EUA, mercados encerram abril em baixa, à espera da decisão do Fed
Confiança do consumidor nos EUA cai para o nível mais baixo desde julho de 2022. Agora, o mercado aguarda a decisão de juros do Fed nesta quarta-feira (1)
Fed, Nos EUA, mercados encerram abril em baixa, à espera da decisão do Fed, Capital Aberto

O mercado de ações sofreu após a última leva de dados econômicos mostrar uma queda na confiança do consumidor nos Estados Unidos e pressões salariais persistentes antes da decisão do Fed (banco central americano), que será conhecida nesta quarta-feira (1). 

As ações fecharam no pior mês desde setembro de 2023, com especulações de que o Fed manterá as taxas inalteradas em seu nível mais alto em duas décadas. Essa percepção também impulsionou os rendimentos dos títulos junto com o dólar.

Na última aparição pública, o presidente do Fed, Jerome Powell, ressaltou a falta de progresso adicional na redução da inflação e a força duradoura no mercado de trabalho. Os dados de preços mais recentes, juntamente com as expectativas de um relatório de emprego robusto na sexta-feira (3), não devem levá-lo a mudar de ideia.

“Powell precisará de muito mais convencimento neste momento”, disse Ian Lyngen, do BMO Capital Markets.

O S&P 500 caiu 1,6%, a maior queda desde janeiro, enquanto o Nasdaq caiu 1,9% e o Dow Jones, 1,5%. Já os rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos ultrapassaram os 5%, maior nível desde novembro do ano passado. O dólar registrou o quarto avanço mensal consecutivo – a sequência de vitórias mais longa desde setembro de 2022.

Uma pesquisa realizada pela 22V Research mostra que apenas 16% dos investidores consultados esperam uma reação “de risco” à decisão do Fed nesta quarta-feira, 44% disseram “risco-off” e 40% “negligenciável/misto”. O levantamento também revelou que dois terços dos entrevistados ainda esperam um corte nas taxas em 2024.

Mais cedo, a Conference Board mostrou que a confiança do consumidor nos EUA caiu em abril para o nível mais baixo desde meados de 2022, à medida que as visões dos americanos sobre o mercado de trabalho e suas perspectivas para a economia se deterioraram. Um amplo indicador de custos trabalhistas, observado de perto pelo Fed, aumentou mais em um ano, ilustrando pressões salariais persistentes que estão mantendo a inflação elevada.

“Com os dados de inflação continuando surpreendentemente elevados no último trimestre, a narrativa de que essas surpresas são todas atribuíveis a ‘casos isolados’ em componentes individuais está se tornando mais difícil de sustentar”, disse Joe Davis, da Vanguard. “O tempo dirá, mas os dados sugerem que o que chamamos de ‘aterrissagem adiada’ é mais provável do que a tão esperada ‘aterrissagem suave’.”

Para Krishna Guha, do Evercore, a decepção com os salários tornará o Fed menos confiante na perspectiva da inflação.

“Isso se manifestará em um tom mais firme”, disse ele, “com os formuladores de políticas claramente abertos a uma manutenção mais prolongada além do atraso inicial para o primeiro corte de junho para julho/setembro – se não houver uma clara redução na inflação nos próximos meses.”

A inflação persistente nos EUA neste ano não é necessariamente uma má notícia para o rali das ações, já que os rendimentos mais altos são um reflexo do forte crescimento econômico, segundo estrategistas do HSBC liderados por Max Kettner.

“Se os cortes do Fed se revelarem mais como a recalibração nos anos de 1990 e 2019, pode não ser necessariamente má notícia para os ativos de risco”, escreveram eles.

Os clientes do Bank of America registraram suas maiores entradas em ações dos EUA em oito semanas durante o período de cinco dias encerrado na sexta-feira.

Todos os principais grupos de clientes – instituições, fundos de hedge e investidores de varejo – foram compradores líquidos na semana passada, disseram estrategistas quantitativos liderados por Jill Carey Hall em uma nota aos clientes nesta terça-feira (30). O influxo líquido totalizou US$ 3 bilhões, o maior em dois meses, de acordo com o BofA.

Leia também:

Emissões de valores mobiliários saltam 50% no primeiro trimestre puxadas por debêntures


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.