Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
Mulheres saem na frente de homens na gestão de carteiras de ações na Suécia
Para especialista, o resultado mostra a importância da diversidade na gestão de ativos
Mulheres, Mulheres saem na frente de homens na gestão de carteiras de ações na Suécia, Capital Aberto

Carteira de ações geridas por mulheres na Suécia renderam mais que as administradas por homens, revela estudo da  Euroclear Sweden. Segundo dados compilados pela empresa, enquanto as carteiras das mulheres registraram ganho médio de 1,9% em valor nos primeiros três trimestres de 2023, as dos homens caíram 2%.

“Observamos que a estratégia das mulheres de investir em empresas de grande capitalização foi bem-sucedida durante o período”, disse Annelie Lindahl, diretora de negócios da empresa. Segundo ela, homens tenderam a diversificar mais suas ações – estratégia, no caso, que acabou resultando em perdas.

Diversidade

As características do portfólio feminino não são de estranhar. “Diferentes pesquisas mostram que mulheres tendem a ser mais conservadoras, com menos disposição a correr riscos, tanto nas assets como nas empresas em geral ”, diz o coordenador do curso de economia do Ibmec-RJ, Gustavo Moreira.

Nesse contexto, bancos menores com mulheres no comando ou no board têm menos risco de quebrar em momentos de crise. Isso ocorre por conta do maior conservadorismo feminino na gestão de ativos de risco. Os dados são de estudo do economista Ajay Palvia, da Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), dos EUA,  publicado pelo Journal of Business Ethics.

“A diversidade gera benefícios que muitas vezes não são discutidos, como o de a redução de riscos ”, diz Moreira. “E isso não vale só para gênero, mas também para diversidade racial, social, religiosa e formação acadêmica,  pois tudo isso possibilita uma visão mais precisa do mundo e consequentemente decisões mais acertadas”.

Suécia

Sobre o portfólio das mulheres suecas, o professor do Ibmec afirma que o foco em large caps, que lhes rendeu melhores resultados, nem sempre é a melhor opção. “Tudo vai depender do momento econômico. As empresas maiores tendem a ir melhor que a small caps em momentos de dificuldade econômica”, afirma. Ou seja, em outro cenário os homens poderiam ter saído na frente. “Daí a importância da existência de diferentes visões na gestão de recursos”, afirma.

Das 100 empresas com mais investidores, a empresa de jogos Starbreeze AB (queda de 61% no ano), o produtor de equipamentos elétricos Plejd AB (-35%) e o grupo de aquisições Storskogen Group (alta de 13%) tiveram a maior concentração nas carteiras masculinas. Já as mulheres sem concentram mais na varejista H&M Hennes & Mauritz AB (+51%), a empresa de consultoria Sweco AB (+30%) e a produtora de embalagens Billerud Aktiebolag (-16%).

Leia mais:

Diversidade nas firmas de private equity decepciona


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.