Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
Japão encerra ciclo de 12 anos de juros negativos
A política bancária “não-convencional” não trouxe resultados milagrosos esperados, mas alguns países a consideraram uma solução provisória
juros negativos, Japão encerra ciclo de 12 anos de juros negativos, Capital Aberto

Das muitas medidas incomuns adotadas pelos bancos centrais ao longo da última década e meia, os juros negativos estavam entre as mais controversas, trazendo benefícios incertos e potenciais riscos.

O resultado da experimentação foi: as taxas abaixo de zero não foram suficientes, por si só, para impulsionar as economias ou elevar a inflação em direção às metas de 2% dos bancos centrais. Foi necessário o impacto da pandemia da Covid-19 e da guerra na Ucrânia para alcançar esse feito.

No entanto, mesmo que as taxas negativas não tenham sido uma solução completa, elas parecem ter oferecido alguma ajuda. No caso do Japão, os juros negativos contribuíram para a desvalorização do iene e o aumento dos preços de importação, alimentando o retorno da inflação. Apesar de alguns “efeitos colaterais” adversos, os sistemas bancários não apresentaram colapsos significativos.

Embora os bancos centrais estejam suspendendo as taxas negativas, é provável que eles as mantenham na “caixa de ferramentas” para casos de emergência – talvez como um recurso que nunca precise ser utilizado.

O Banco do Japão (BOJ) alterou nesta terça-feira (19) sua taxa de juros de – 0,1% e estabeleceu uma nova meta no curto prazo, de 0% a 0,1%. Além disso, o país encerrou a maioria das políticas não convencionais adotadas desde a crise financeira global de 2008, interrompendo as compras de ações e abandonando uma meta para os rendimentos dos títulos do governo no longo prazo. “O afrouxamento extraordinário acabou”, declarou o governador do BOJ, Kazuo Ueda.

O que antes era considerado apenas uma curiosidade teórica, as taxas negativas se tornaram uma possibilidade após a crise financeira colocar muitas das economias avançadas do mundo em um estado de estagnação secular. Mesmo após reduzir as taxas de juros a zero, os bancos centrais lutaram para gerar o que consideravam um nível saudável de inflação.

Em 2012, o Banco Central da Dinamarca impôs taxas negativas sobre os depósitos mantidos pelos bancos comerciais, seguido pelo Banco Central Europeu, em 2014, e pelo Banco do Japão no início de 2016, além da Suécia e da Suíça.

Em teoria, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), uma política de taxa negativa “apoia a atividade econômica e a inflação pelos mesmos canais que os cortes de taxa de juros convencionais”. A política reduz as taxas de juros em geral e facilita o acesso das empresas ao crédito e aos gastos, o que deve impulsionar a demanda geral e desencadear a inflação.

Na prática, porém, os efeitos não foram tão evidentes. As economias da Europa e do Japão permaneceram sem brilho, com inflações abaixo da meta, mesmo após a implementação dos juros negativos.

Izumi Devalier, economista do Bank of America em Tóquio, argumenta que uma taxa ligeiramente negativa – menos 0,1% no caso do Japão – não foi diferente o suficiente para mudar fundamentalmente as expectativas em economias sobrecarregadas por demandas desequilibradas e pessimismo. “O lado fiscal é mais importante”, disse ela, apontando para grandes programas de gastos do governo nos primeiros dias da pandemia que estimularam o crescimento.

Ainda assim, o FMI concluiu, em 2021, que a política de taxas negativas “provavelmente apoiou o crescimento”. Alguns banqueiros centrais disseram que, ao mostrar que não havia um limite, as taxas abaixo de zero foram úteis para mostrar determinação em estimular a economia.

Embora as taxas negativas no Japão inicialmente não tenham afetado o iene, uma mudança ocorreu em 2022, quando o Fed começou a elevar as taxas e, logo depois, os bancos centrais da Europa, incluindo o BCE, encerraram suas políticas de taxas negativas.

A diferença crescente entre as taxas dessas regiões e a taxa negativa do Japão incentivou os investidores a movimentarem seu dinheiro para dólares e euros, fazendo o iene cair para mínimas de três décadas.

Este ano, muitas empresas no Japão estão dando aumentos de mais de 5% aos seus trabalhadores com os lucros obtidos. A inflação, impulsionada pelos preços de importação, está acima de 2%. Isso foi justificativa suficiente para o Banco do Japão encerrar sua política de taxa de juros negativa. Ela pode não voltar tão cedo, pelo menos na Europa e no Japão.

Entre as principais economias, apenas a China parece exibir sinais potenciais de estagnação secular, com uma bolha imobiliária prestes a estourar e uma escassez de demanda crescente. Mas, sempre que a estagnação retornar, o atrativo das taxas negativas como uma ferramenta de último recurso se manterá.


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.