Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
Copom corta Selic em 0,25 pp e dá “recados” sobre o futuro da taxa
Em decisão dividida, com cinco diretores votando a favor de 0,25 pp e quatro de 0,50 pp, o BC se mostrou altamente cauteloso sobre os próximos passos
Copom, Copom corta Selic em 0,25 pp e dá “recados” sobre o futuro da taxa, Capital Aberto

Após uma decisão dividida no Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa de juros, os especialistas veem um Banco Central (BC) mais contracionista para consolidar a desinflação, além de mandar “alguns recados” sobre os próximos passos da Selic.

Para o economista e sócio da Matriz Capital, Vinicius Moura, o tom do comunicado pode ser interpretado como cautelosamente hawkish. Segundo ele, a magnitude da redução não pegou o mercado de surpresa e veio dentro do consenso, que antecipava uma redução moderada devido às incertezas econômicas e às pressões inflacionárias ainda existente.

“Acredito que o Fed mantendo juros altos podem atrapalhar no ciclo de queda de juros por aqui. Juros altos nos EUA podem fortalecer o dólar e pressionar a inflação, dificultando a redução da Selic aqui. Eventos como as enchentes no Rio Grande do Sul podem pressionar a inflação de alimentos, dificultando a queda da Selic também”, explica Moura.

Outro fato ‘sinalizado’, de suma importância, inclusive, foi que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e o diretor de política monetária, Gabriel Galípolo, estiveram em lados diferentes quanto à decisão. Cotado para ser o sucessor de Campos Neto, que deixa o cargo no final do ano, o voto de Galípolo pela redução de 0,50 ponto percentual (pp) é no tom esperado pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

De acordo com o economista-chefe da Genial Investimentos, José Marcio Camargo, “isso sinaliza um pouco de como será a política monetária no próximo mandato do BC”.

A economista-chefe da B.Side, Helena Veronese, ressalta a retirada do forward guidance do comunicado, que mostra um Comitê mais cauteloso e enxergando um cenário mais incerto – tão incerto, que a opção escolhida foi observar sem se comprometer.

Do lado fiscal, tema que vem sendo citado com certa recorrência por Campos Neto, o Copom enfatizou mais a necessidade de se perseguir a meta fiscal tanto para a trajetória da dívida, quanto para as expectativas de inflação e redução de riscos.

“Ao que tudo indica, entramos em uma nova fase da política monetária, em que a cautela deverá prevalecer”, afirma Veronese.

A decisão

O colegiado do BC reduziu a Selic em 0,25 pp, com juros passando de 10,75% para 10,50% ao ano. Na decisão, divulgada na noite desta quarta-feira (8), o Comitê enfatizou que o ambiente externo se mostra mais adverso, em função da incerteza elevada e persistente referente ao início da flexibilização de política monetária nos Estados Unidos e à velocidade com que se observará a queda da inflação de forma sustentada em diversos países. 

Em relação ao cenário doméstico, o colegiado do BC ressalta que os indicadores de atividade econômica e do mercado de trabalho tem apresentado maior dinamismo do que o esperado. “A inflação cheia ao consumidor manteve trajetória de desinflação, enquanto medidas de inflação subjacente se situaram acima da meta para a inflação nas divulgações mais recentes”, diz trecho do comunicado.

Leia também:

Mercado “compra” sinais do BC e vê corte menor na Selic


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.