Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
BlackRock vê dois cortes de juros pelo Fed em 2024
Renda fixa é o mercado que a maior gestora de ativos do mundo tem favorecido nos últimos quatro meses, além de private equity e mercados emergentes, sobretudo em moeda local
BlackRock, BlackRock vê dois cortes de juros pelo Fed em 2024, Capital Aberto
Gargi Pal Chaudhuri, chefe de estratégia de investimentos para as Américas da unidade iShares da BlackRock

Em um cenário econômico turbulento com relação à inflação global, os olhos do mercado se voltam para a política monetária do Federal Reserve (Fed). Enquanto alguns precificam o início do corte de juros pelo banco central americano no final deste ano, ou apenas em 2025, a BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, prevê dois cortes ainda em 2024.

“Ficamos surpresos quando o mercado estava precificando seis ou sete cortes. Porque, embora a inflação tenha caído, ainda está longe da meta de 2% do Fed, como todos sabemos”, diz Gargi Pal Chaudhuri, chefe de estratégia de investimentos para as Américas da unidade iShares da BlackRock, durante o evento Tag Summit 2024, promovido pela Tag Investimentos nesta quarta-feira (14). “Neste ano, mesmo quando as taxas foram precificadas a seis ou sete, falamos de três cortes em 2024. E, atualmente, nós saímos desses três e acreditamos que teremos dois cortes de taxas até o final de 2024.”

Para Gargi, a resistência da inflação foi uma surpresa para a BlackRock, sobretudo a do componente shelter, relacionado ao aluguel, já que isso está embutido na cesta de inflação de maneira um pouco mais persistente do que esperado.

“A nossa expectativa é que isso caia para 2,7% ou 2,8% do CPI Core até o final do ano. Ainda não vai chegar a dois, mas muito mais perto disso. E, por causa dessa resistência, o Fed só vai fazer dois cortes na taxa. Toda vez que o mercado precifica mais do que isso, três ou quatro cortes, é uma boa oportunidade para a gente olhar o outro lado”, aponta Gargi.

A executiva afirma que os EUA têm sido o banco central do mundo e não só do próprio país, não apenas para o equity brasileiro, mas para equity global. “Eu acho que é exatamente por isso que o Fed assume essa responsabilidade. É, por isso, que eu acho que qualquer aumento de taxa vai ter uma barra muito alta. Claro que não dá para dizer nunca, mas depois de levarem as taxas a 5,8%, elevar ainda mais, a barra vai ser alta. E a gente tem ouvido isso do Fed várias vezes. Eles querem cortar as taxas, eles só precisam que os dados cooperem. Hoje (ontem) foi o primeiro passo no caminho certo, com o CPI um pouco mais baixo do que eram as expectativas, que eram de 3% mês a mês.”

A renda fixa e o private equity

Com a política monetária mais restritiva nos EUA, a renda fixa é o mercado que a BlackRock tem favorecido nos últimos quatro meses, segundo Gargi. Na prática, a chefe de estratégia de investimento da BlackRock diz que necessariamente não precisa ter muita duration, comprar 10, 15, 20 anos, uma vez que a curva está tão plana que você pode ganhar isso logo no início.

“Eu estava olhando o mapa e as taxas de juros de dois anos mudaram para 100 pontos-base. Então, 100 pontos-base é mais do que o real, que não é a nossa base. Mesmo que isso acontecesse, você poderia ganhar dinheiro só com Tesouro, porque esse cupom do título está super atraente”, analisa.

Além da renda fixa, a gestora tem apostado em private equity e mercados emergentes, já que muitas áreas no mundo tiveram uma desvalorização, graças à força do dólar.

“A gente acha que vai ser interessante por algum tempo a Índia e o México, por vários motivos, como fragmentação geopolítica. E a outra coisa que está só começando é uma mudança dramática no Japão. Acho que o Japão e a Índia representam uma grande oportunidade para os investidores nos próximos anos”, explica a executiva, acrescentando que o Banco do Japão começou a mudar a política monetária.

Leia também:

Powell reitera a probabilidade de manter os juros altos por mais tempo


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.