Peer-to-peer lending

Workshop sobre o que esperar das plataformas de empréstimos on-line no Brasil realizado em 14 de outubro de 2015

Workshop
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Nos Estados Unidos e no Reino Unido, o peer-to-peer lending é um fenômeno. Por meio dele, um tomador de crédito solicita financiamento em uma ponta, enquanto um ou mais investidores aplicam dinheiro em outra – tudo intermediado por uma plataforma on-line. Uma das maiores do gênero, a inglesa Zopa agenciou cerca de £ 950 milhões (R$ 4,5 bilhões) em empréstimos desde 2005. No Brasil, o peer-to-peer lending puro não é permitido. Isso porque, de acordo com as diretrizes da Lei do Sistema Financeiro Nacional (Lei 4.595), operações de crédito cabem exclusivamente a instituições financeiras reguladas pelo Banco Central. O entrave, no entanto, não vem impedindo o florescimento de um mercado “tropicalizado” de plataformas de crédito on-line. Neste workshop, conhecemos a experiência de quem já atua neste segmento, discutindo os desafios regulatórios e debater as perspectivas para desintermediação bancária no País.

Programação:

• Histórico e dimensão da indústria de peer-to-peer lending no mundo | Bruno Balduccini, sócio do Pinheiro Neto Advogados

• A experiência da Geru, plataforma que intermedeia crédito para pessoas físicas ou jurídicas | Sandro Reiss, fundador da Geru

• O modelo da Biva, plataforma cujo funcionamento mais se assemelha ao peer-to-peer lending no Brasil | Jorge Vargas Neto, CEO da Biva

• Debate: Perspectivas para desintermediação bancária no Brasil
Larissa Oliveira Arruy, advogada do Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados.
Lauro Gonzalez, professor de finanças da EAESP-FGV e coordenador do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira FGV.
Marcelo Ciampolini, presidente-fundador da Lendico.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Inflação, balanço e (des)informação
Próxima matéria
Os ativos brasileiros em crise: Por que a bolsa está mais resistente?




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Inflação, balanço e (des)informação
Quanto mais se vive, menos se acredita na existência de verdades. Quando, mais de uma vez, o Brasil permitiu no passado,...