Um propósito para as corporações

Como as empresas podem deixar mais claras as suas contribuições para a sociedade

A obtenção de lucro não é mais a única — ou principal — razão de existir de uma empresa. Graças à pressão de investidores, consumidores e funcionários, cada vez mais os líderes empresariais são provocados a mostrar como as suas companhias agregam valor à sociedade — ou, em outras palavras, qual é o seu propósito corporativo. Este se refere ao modo único e autêntico por meio do qual a empresa fará a diferença no mundo. Há, entretanto, quem olhe essa tendência com desconfiança. Os críticos observam que, enquanto algumas corporações definem propósitos simplistas e genéricos, outras os fazem de modo exagerado. Nesse cenário, como incentivar empresas a se tornarem mais claras sobre as suas contribuições para a sociedade? A busca das organizações por seus propósitos é uma mudança real de mentalidade ou apenas uma tentativa de mascarar seus impactos negativos? Empresas com propósitos bem definidos são mais bem avaliadas pelos investidores? Essas e outras questões foram debatidas no dia 5 de novembro de 2019 neste Grupo de Discussão, que integra o The Great Purpose Debate, uma série de eventos globais sobre propósito corporativo promovida pela Brunswick.

PATROCÍNIO

Participantes

Adalberto Belluomini

FGV

Professor do departamento de marketing da FGV e consultor de marketing, trabalhou como executivo durante 12 anos nas áreas de Marketing e Planejamento Estratégico sempre em empresas de porte como Alpargatas, Abril, Heublein (atuais Diageo/Smirnoff e Campari), Equipamentos Villares e Moore Formulários (atual Donnelley). Foi Diretor Comercial da ARIES Representações e atuou no Governo do Estado de São Paulo por 4 anos como Diretor de Comunicações e Ouvidor, onde ajudou a formar a ARTESP – Agência Reguladora dos Transportes. É consultor pela ARIES Conhecimento & Negócios e FGV Projetos há mais de 25 anos, sempre coordenando e elaborando projetos nas áreas de marketing, pesquisa e planejamento estratégico para diversas empresas públicas e privadas. Formado em Engenharia Mecânica-Aeronáutica pelo ITA, é pós-graduado em Administração de Empresas pela EAESP/FGV e Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. É professor do Departamento de Mercadologia da FGV-EAESP desde 1993 e professor dos cursos de MBA da FGV Management e Executivos do FGV-IDE.

Celso grecco

Atitude e Pensamento Estratégico

Sócio fundador da Atitude e Pensamento Estratégico. Criador da primeira Bolsa de Valores Sociais do mundo em 2003 para a BM&F BOVESPA, reconhecida como inédita no mundo, adotada como Estudo de Caso e recomendada para as demais Bolsas de Valores do mundo pela ONU. Em 2009 atuou também em Portugal, onde o conceito da Bolsa de Valores Sociais foi replicado para a Euronext Lisbon (Bolsa de Valores de Portugal).
Em 2008 recebeu o prêmio Vision Awards em Berlim entregue pelo Prêmio Nobel da Paz, Professor Muhammad Yunus, e em dezembro do mesmo ano foi homenageado na sede da ONU em Nova York. Citado no livro The Power of Unreasonable People, teve também o perfil retratado nas revistas Newsweek (Estados Unidos) e Der Spiegel (Alemanha).

Entre 2007 e 2010 atuou como consultor de branding para o Charity Bank, primeiro banco sem fins lucrativos do mundo, com sede na Inglaterra, tendo criado o posicionamento de marca que o Banco segue até hoje. É autor do livro A Decisão De Que O Mundo Precisa, lançado em julho de 2019 pela Editora Gente.

Edmar prado lopes neto

IBRI

Presidente do Conselho de Administração do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (IBRI). Possui mais de 30 anos de experiência na área financeira. Entre 2012 e 2016, atuou como Vice-Presidente Financeiro e de Relações com Investidores da Gol Linhas Aéreas Inteligentes SA, onde ingressou em 2011. No período imediatamente anterior, desde 1998, trabalhou nas Organizações Globo, tendo sido Diretor de Tesouraria da Net e na Gerente de Planejamento da Fundação Roberto Marinho. Na Movida Participações, desde 2016, acumula os cargos de Diretor Financeiro e de Relações com Investidores tendo participado da abertura de capital na Bovespa. É engenheiro civil formado pela UFRJ.

Luzia Hirata

Santander

Analista do Santander Asset Management, sendo responsável pelas avaliações ambientais, sociais e de governança corporativas das companhias. É também coordenadora do Grupo Técnico de Sustentabilidade da ANBIMA. Atou em consultoria de sustentabilidade e foi professora do curso de Responsabilidade Social Corporativa da GVPec.

tereza kaneta

Brunswick

Sócia da Brunswick, com ampla experiência em mercado de capitais e relações com investidores. Anteriormente, trabalhou no banco de investimentos Deutsche Bank, no departamento de RI da Vivo (Telefonica Brasil) e como analista do Banco Votorantim. Tem MBA pela Columbia Business School, especialização em Estratégia por Harvard Business School e se formou em Engenharia Elétrica pela USP. É professora e palestrante convidada da USP, FGV, ESPM e ESAMC.

Victor santos

Liv Up

Sócio fundador da Liv Up, startup de alimentação saudável. Atuou no mercado financeiro passando por empresas como HSBC, Goldman Sachs e Merrill Lynch. Formado em Engenharia de Produção pela Poli-USP e com Master of Science pelo Politecnico di Milano.

"Hoje, existe uma pressão para que as empresas tenham um propósito para além de fornecer bens ou serviços. Essa pressão vem de todos os lados: clientes, funcionários, investidores"
"Quando a empresa avalia seu impacto ambiental e social, ela consegue se guiar e saber seu papel no mercado e na sociedade. Isso é uma estratégia de negócio, isso pode gerar lucro.
"Nós sabemos quais são as escolhas certas. O desafio é encontrar uma maneira economicamente viável de fazer isso e comunicar aos nossos clientes da melhor e mais verdadeira forma possível"
"São dois os casos mais comuns: empresas que fazem coisas incríveis e comunicam mal ao seu público; ou têm uma comunicação ótima, mas com um discurso mentiroso. Por isso, é preciso trabalhar gestão e reputação quando falamos de propósito"
"O mundo digital veio baratear e facilitar a comunicação, mas também trouxe muitos desafios, como as fake news. Há a possibilidade de uma grande distorção da mensagem que as empresas tentam passar"
"A maior fatia de dinheiro que estará disponível para gestoras de fundos e para as companhias é dos millennials. E essa geração cobra mudanças de posicionamento e ação"
Anterior
Próximo

VEJA COMO FOI

Ouça a íntegra no Clube de Conhecimento

Assista ao vídeo com os melhores momentos do encontro

Confira a reportagem sobre o Grupo de Discussão (em breve!)

ENTRE EM CONTATO

REALIZAÇÃO


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar! Já tenho cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Quero assinar!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.