Sucessão familiar

Como identificar e reunir as características que formam o perfil do sucessor vencedor



Patrocínio - PwC

As estatísticas mostram que a cada 100 empresas familiares brasileiras, cerca de 30 sobrevivem à transição da primeira para a segunda geração e apenas 15 chegam à terceira. Para discutir formas de promover um processo sucessório exitoso, a capital aberto reuniu, em 25 de fevereiro, empresários e investidores na quinta edição do Grupo de Discussão Governança Corporativa. Entre as conclusões do debate está a ideia de que, às vezes, é melhor entregar a gestão a alguém com sobrenome diferente em vez de insistir na solução caseira e condenar um império ao naufrágio. Mas antes de se chegar a esse ponto, são numerosos e bem diversificados os esforços que podem ser empreendidos para a família continuar na liderança dos negócios.

Clique aqui e confira a reportagem Empresas familiares apontam caminhos para engajar herdeiros, cujo conteúdo foi gerado no Grupo de Discussão.

Ficou curioso? Confira a íntegra do Grupo de Discussão no Clube de Conhecimento!


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Gestão da mudança
Próxima matéria
2ª Conferência ABRASCA & CDP



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Gestão da mudança
Sua organização está preparada para gerenciar mudanças com sucesso e sustentabilidade? Ela tem flexibilidade e capacidade...