Muito além do compliance

Como prevenir que pessoas comuns se tornem eticamente cegas nas organizações. Curso realizado nos dias 30 de novembro e 1 de dezembro de 2015.

Cursos para Líderes / Encontros
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

IMG_1154

Quase todos os dias somos bombardeados por notícias de atitudes antiéticas e ilegais de grandes proporções no ambiente empresarial envolvendo fraudes, corrupção, evasão fiscal, prejuízos ambientais, etc. Por que esses casos ocorrem com tanta frequência? É tudo culpa de algumas (poucas) “pessoas ruins”?

O emergente campo da ética comportamental, baseado em décadas de estudos na esfera da psicologia social aplicada, apresenta três respostas duras e incômodas: achamos que somos muito mais éticos do que de fato somos; as coisas erradas são feitas na maioria das vezes por pessoas comuns como nós que sucumbem à força do contexto; e os grandes escândalos de governança corporativa ocorrem apenas porque conseguem o apoio (tácito ou explícito) de muitas pessoas com boa predisposição inicial.

Tendo como pano de fundo casos recentes com grande repercussão — como a operação Lava Jato, empresas X, Panamericano, Enron, Lehman Brothers, Siemens, etc. —, o curso teve como objetivo demonstrar que a “cegueira ética” é um conceito fundamental para compreender os escândalos empresariais de grande escala, bem como mostrar que a solução efetiva para essas companhias vai muito além dos programas tradicionais de compliance.

Módulos:

1. O que é cegueira ética? O risco de nos tornarmos eticamente cegos

2. Como uma perspectiva limitada e rígida da realidade aumenta o risco da cegueira ética

3. O impacto do contexto imediato: a pressão das lideranças, do cargo e dos pares

4. O impacto do contexto organizacional: os riscos dos incentivos, da linguagem e da cultura de agressividade

5. O fator “tempo”: como a rotina e a mudança gradual afetam o questionamento ético

6. O impacto do contexto social: o poder das instituições e da ideologia do Shareholder Value

7. Como minimizar os riscos de atitudes antiéticas em sua organização. O papel das lideranças

Palestrante

Alexandre Di Miceli é professor, consultor, pesquisador e articulista dedicado integralmente ao tema governança corporativa desde 2000.

Sócio-fundador da Direzione Consultoria Empresarial, é autor dos livros Governança corporativa no Brasil e no mundo (finalista do prêmio Jabuti 2010) e Governança corporativa: o essencial para líderes, entre outros.

É professor da USP, Fecap e dos Cursos para Conselheiros do IBGC. Articulista da Capital Aberto, atuou como vice-presidente da Sociedade Brasileira de Finanças, pesquisador-chefe do IBGC e consultor da IFC e da OCDE em projetos relacionados à governança corporativa na América Latina.

É doutor e mestre em administração de empresas pela FEA-USP, com pós-doutorados pelas universidades de Louvain (Bélgica) e Cornell (Estados Unidos) e temporada na Universidade de Harvard. Foi agraciado com dezenas de prêmios, incluindo o IBGC-Itaú Unibanco Academia, nos anos de 2014, 2013, 2011, 2009 e 2003, e o Revelação em Finanças do IBEF 2006.

Curso Etica



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  ética ​governança corporativa

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cinco regras de ouro
Próxima matéria
12 anos da Capital Aberto




Recomendado para você




1 comentário

Sep 08, 2015

Grande iniciativa!
Seria bom pensarem em realizar o curso em outras capitais também.
sds



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Cinco regras de ouro
Estamos em mais um ano repleto de fusões e aquisições, na sequência de uma bolha de US$ 3,3 trilhões de acordos feitos...