Instrução 476 para ações

Grupo de Discussão Captação de Recursos, realizado no dia 8 de outubro de 2015

Grupos de Discussão/Captação de recursos/Encontros
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


patrocinio

Quando foi editada há um ano para contemplar ofertas de ações, a Instrução 476 da CVM era apontada como uma solução para destravar um mercado escasso de IPOs. Bancos de investimento e escritórios de advocacia pleitearam a inclusão dos papéis no rol de ativos que poderiam ser ofertados com esforços restritos. Em tese, a flexibilidade regulatória em relação às ofertas públicas tradicionais reduziria custos e agilizaria o processo de lançamento da oferta, dando tempo hábil às empresas para aproveitarem janelas de oportunidade. Contudo, isso ainda não pôde ser visto na prática. Até agora, nenhuma empresa usufruiu o precedente aberto pela edição da 476, frustrando a perspectiva de follow-ons e IPOs por meio de ofertas restritas. O que falta para a instrução deslanchar no mercado acionário? As regras estão claras ou falta entendimento sobre o assunto? O que aprender com as tentivas de oferta restrita que não deram certo? Essas e outras questões serão discutidas no próximo Grupo de Discussão sobre Captação de Recursos. Participe!

• Acompanhe a agenda completa dos Grupos de Discussão clicando aqui.

Fotos: Régis Filho




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A fé sem obras é morta
Próxima matéria
Advanced Boardroom Program for Women



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
A fé sem obras é morta
A qualidade da regulação financeira brasileira, tanto do ponto de vista prudencial como do de conduta, é bem avaliada...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}