Capital ou dívida?

O papel dos instrumentos híbridos na captação de recursos



Patrocínio - Stocche Forbes

Ações com características de dívida, bonds que dão direitos de acionista. Há alguns anos, as emissões de instrumentos híbridos pelas companhias têm figurado como uma alternativa às operações tradicionais de captação. Esses ativos, no entanto, ainda suscitam uma série de dúvidas. Uma delas é a forma como devem ser registrados na contabilidade do emissor. Não raro contadores, auditores e órgão regulador divergem sobre essa questão. Além disso, os instrumentos híbridos afinam a linha entre acionistas e credores no que diz respeito às decisões das companhias.

Mas como o mercado tem acompanhado a evolução desses instrumentos no Brasil? De que maneira as dúvidas relativas a esse tipo de ativo impactam a decisão de emissor e investidor? As mesmas regras contábeis que permitiram o surgimento desses instrumentos podem inibir o seu desenvolvimento? Essas e outras questões foram debatidas no Grupo de Discussão Captação de Recursos.

 

Ficou curioso? Confira a íntegra do evento no Clube de Conhecimento!

Fotos: Régis Filho

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ágio nas transações societárias
Próxima matéria
Ágio nas transações societárias



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Ágio nas transações societárias
O aproveitamento de ágio para abatimento em tributos é um dos litígios mais polêmicos travados entre as empresas brasileiras...