Reação rápida

Gerdau mostra que é possível fazer logo as pazes com o mercado após uma falha grave de governança

Especial/Governança Corporativa/Governança Corporativa - Coletânea de Casos 2008/Reportagem/Edições/Temas / 1 de novembro de 2008
Por 


Corria o ano de 2006. Mais precisamente, o dia 11 de abril. Uma terça-feira que despontava para a calmaria, no meio de uma semana pascal. Foi nesse cenário que a família controladora da siderúrgica Gerdau se reuniu e, sem alarde, decidiu mudar a cobrança dos royalties pelo uso da marca sem consultar os demais acionistas da companhia. O valor cobrado, que beirava os R$ 600 mil ao ano, passaria a ser medido em percentagem de um indicador. As empresas operacionais do grupo pagariam algo como 0,6% da receita líquida da companhia. Os recursos iriam para o bolso dos controladores a título de cobrança pelo uso do nome da família.

A percentagem diminuta não condiz com o volume potencial que a Grupo Gerdau Empreendimentos, holding formada pela família e detentora da marca, arrecadaria com o pagamento. Em números de 2007, cerca de R$ 190 milhões passariam pela holding e iriam pingar nos cofres dos Gerdau. Certamente, a reunião de abril de 2006 entraria para o rol das mais valiosas da história, não fosse por um detalhe: o mercado repugnou as decisões ali tomadas.

“Não foi a primeira vez que a Gerdau pecou em governança corporativa”, lembra Catarina Pedrosa, analista da Banif Investment. Ela conta que outros casos (veja mais no quadro) em que a companhia gaúcha era protagonista causaram mal-estar no mercado, mas que o entrevero dos royalties chamou muita atenção pelo montante envolvido. A base usada pela Gerdau para sugerir a mudança foi um estudo encomendado à consultoria de marcas Interbrand, que avaliou a siderúrgica em US$ 885 milhões à época ao levar em conta análises das finanças, da demanda e da marca.

Mesmo assim, investidores chiaram. Alguns de forma efusiva. Foi o caso de Mark Mobius, da Templeton. Em maio daquele ano, quando o assunto veio à tona, ele enviou uma carta à direção da Gerdau para criticar a medida. Segundo o noticiário, Mobius dizia ter-se surpreendido com a decisão, por acreditar que a companhia teria mudado a forma de tratar os minoritários. O investidor não se conformava com a hipótese de pagar pela marca de um produto classificado como commodity.

Até a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) questionou. Por meio de um ofício, a autarquia pediu explicações à Gerdau sobre a iniciativa de mudar o cálculo da cobrança sem submetê-la à assembléia. Todas essas pedras foram atiradas em menos de um mês e atingiram em cheio o papel da companhia. Entre os dias 2 e 5 de maio, quando a discussão tornou-se pública, a cotação da ação preferencial recuou de R$ 17 para R$ 15,6.

Preocupada, a companhia agiu rápido. No dia 8 de maio, a Gerdau S.A. anunciou ao mercado que não pagaria mais royalties para a família, porque as marcas seriam transferidas para a empresa. “O desenvolvimento da companhia tem no mercado de capitais um de seus principais sustentáculos”, dizia o comunicado. O documento se esforçou em passar a imagem de uma Gerdau preocupada com o que os players pensam sobre ela. O conselho de administração, segundo a companhia, voltou atrás por ter sido “sensível às recomendações do mercado”. Tudo isso em menos de um mês. No feriado de Corpus Christi, comemorado 40 dias após a Páscoa, os royalties eram apenas uma marca do passado.

A resposta vem a cavalo

Numa crise de governança corporativa como a experimentada pela Gerdau, agilidade e sensatez são ingredientes fundamentais para encontrar a saída. Nos poucos dias em que o assunto esteve no noticiário, a siderúrgica chegou a defender a autoridade do conselho de administração para deliberar sobre o assunto sem consultar os acionistas. Mas conseguiu interpretar a cólera do mercado antes que o estrago na imagem da companhia fosse irreversível.

Para Catarina Pedrosa, analista do Banif, a reação rápida era essencial. “Até porque os R$ 600 mil que a Gerdau deixou de pagar a título de royalties não fazem muita diferença para a família”, alfineta. A maleabilidade apresentada pela Gerdau pode ser creditada à experiência adquirida pela companhia ao longo de alguns imbróglios com analistas e minoritários.

Outro episódio que gerou rusgas foi o do empréstimo que a companhia concedeu ao Haras Joter. Controlado pela família Gerdau, o empreendimento recebeu empréstimo de R$ 45 milhões da companhia nos anos 1990. Em 2002, um analista questionou a siderúrgica pelo dado no balanço patrimonial. A última parcela da operação — feita em bases de mercado, segundo a empresa — havia sido quitada no mesmo ano, mas arranhou a imagem da Gerdau perante o mercado. Nem o fato de o atual comandante André Gerdau Johannpeter ter sido medalhista olímpico por duas oportunidades com o cavalo Calei, do haras, amenizou a reação.

“O empréstimo foi feito antes da internacionalização da siderúrgica”, explica Catarina. A entrada da Gerdau em novos mercados ajudou a melhorar a forma como a companhia trata os minoritários, acredita a analista. “O que não impede que, às vezes, os controladores lancem balões de ensaio”, afirma “Mas, se o mercado questionar, ela volta atrás.” E rápido, de preferência.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Destaques do caminho
Próxima matéria
Tudo planejado



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Destaques do caminho
Para os que preferem o processo da busca à conquista do resultado, a adesão às práticas de governança corporativa é um bom exercício....
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}