“Investidores devem pressionar por mudanças”

NELSON ORTEGA

Especial/Governança Corporativa/Edições/Temas/Reportagem/10 anos de Novo Mercado / 1 de abril de 2012
Por 


Há 40 anos na Bolsa, Nelson Ortega trabalhava na gerência de emissores quando o Novo Mercado foi lançado. Por isso, acompanhou de perto cada passo da criação do segmento e dos níveis 1 e 2. “Ao aumentar a proteção dos minoritários, conseguimos atrair mais investidores para o mercado de capitais brasileiro”, lembra. “Naquela época, não havia Sarbanes–Oxley, e os custos de emissão lá fora eram bastante competitivos.”

O desafio do Novo Mercado, para Ortega, é manter suas regras atualizadas. “Esse aperfeiçoamento contínuo tem de ser motor do segmento”. Na última revisão do Novo Mercado, práticas de governança importantes foram rejeitadas pelas companhias, como o aumento da participação de conselheiros independentes de 20% para 30%. “Essa medida promoveria uma maior oxigenação do conselho de administração. Foi uma pena não ter sido aprovada”, avalia. Mas, se a regra era boa, por que as empresas disseram não a ela? Teria faltado pressão dos investidores? “Não sei se faltou, mas essa cobrança é essencial para que o segmento receba novidades”, pondera.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Bolsa de valores Governança Corporativa Novos Mercados Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Na ponta do lápis
Próxima matéria
"Atualizações no segmento sempre serão importantes"



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Na ponta do lápis
A Unipar não poupou a franqueza: no fim de março, convocou seus acionistas para deliberar a saída do Nível 1 de governança...