IPO do primeiro banco paulista

Bimestral/Edição 96 / 1 de agosto de 2011
Por 


Em agosto de 1872, foi lançado ao mercado o primeiro banco comercial da Província de São Paulo: o Banco Mercantil de Santos.
Os dois estabelecimentos que funcionavam, até então, na capital e na cidade portuária, eram caixas filiais do Banco do Brasil e do English Bank of Rio de Janeiro. A edição de 3 de janeiro de 1873 do Jornal do Commercio, em uma retrospectiva do ano anterior, deu conta do lançamento das ações do banco na Praça do Rio:
“Banco Mercantil de Santos — Por iniciativa do Banco Industrial e Mercantil do Rio de Janeiro e de alguns negociantes de Santos foi apresentado na Praça no dia 1º de agosto o prospecto deste banco cujo capital é de 2.000 contos de réis representado por 10.000 ações de 200 mil réis. A sede do banco será em Santos. No último trimestre do ano apareceram na Praça algumas cautelas de ações, que foram negociadas de 2.000 réis de desconto ao par, a dinheiro.”

Apesar de lançado na metrópole, o novo banco tinha princípios nitidamente regionais. Seus estatutos rezavam que tinha como objetivo promover o progresso e aumentar o comércio na Província de São Paulo. No mesmo ano, foi inaugurada a primeira linha da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, unindo Jundiaí a Campinas. Não por acaso, a década de 1870 foi pródiga na expansão da fronteira ferroviária, com a criação das companhias Ituana, Sorocabana e Mogiana, implantadas com recursos eminentemente locais.

O Banco Mercantil de Santos tinha como política investir suas reservas em títulos do Império Brasileiro cotados em Londres, mas chegou a ter, em 1880, um terço de seus investimentos em debêntures da Sorocabana. O banco progrediu ao longo dos anos.
Em 1885, era dono de agências em São Paulo, na Travessa do Colégio (atual Rua Anchieta, no bairro da Casa Verde, zona norte da capital paulista); em Campinas; e no Rio. Possuía correspondentes em Portugal e em cidades europeias como Hamburgo, Londres e Paris. Seu prestígio era de tal ordem que, em 1889, apenas 11 dias após a Proclamação da República, foi autorizado a emitir moeda, pelo Decreto 13 assinado por Deodoro da Fonseca e Ruy Barbosa, privilégio concedido a uns poucos bancos. Em seguida, durante o delírio do Encilhamento, o Mercantil de Santos aumentou seu capital por subscrição pública
em 400%.

O primeiro banco paulista sobreviveu três décadas. Em 1902, não resistiu às políticas de controle e saneamento financeiro de Joaquim Murtinho, ministro da Fazenda de Campos Salles. Em meio a corridas bancárias e uma onda de quebra de instituições financeiras naquela ocasião, o Banco Mercantil de Santos teve sua falência decretada e foi liquidado dois anos depois.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Banco Mercantil de Santos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Uma década de Enron - parte I
Próxima matéria
O Parecer 35 basta



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Uma década de Enron - parte I
Há uma década, começava a derrocada da Enron, caso mais famoso de governança corporativa da história. Apesar de as primeiras...