Fusões e aquisições no setor de alimentos

Fusões e aquisições / Crossing Borders / Edição 26 / 1 de outubro de 2005
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Em meio à feroz crise política que o país atravessa, não se pode deixar de notar que a economia não se abala e continua em ótima forma. O cenário é favorável também na área de fusões e aquisições de empresas. Segundo pesquisa da KPMG, 170 negócios anunciados no primeiro semestre deste ano, 47 transações a mais que no mesmo período de 2004.

Historicamente, o setor de alimentos (comidas e bebidas) sempre foi um dos carros-chefes em fusões e aquisições no Brasil. No primeiro semestre deste ano, 18 negócios foram concluídos, número que colocou o setor em segundo lugar no período, atrás apenas da área de Tecnologia de Informação, com 21 negócios. Duas características sobressaem nas fusões e aquisições mais recentes no setor de alimentos.

Uma é o fato de grande parte das empresas ainda ser controlada por famílias. Como o grau de sofisticação da família varia muito e os interesses pessoais entram em jogo, a negociação, muitas vezes, se torna um exercício delicado de administração de expectativas e interesses diversos, fato com o qual o investidor estrangeiro, já institucionalizado, nem sempre está acostumado.

Neste segmento, a consolidação traz um risco de concentração econômica muitas vezes indesejado

O segundo ponto sensível é a capacidade de distribuição que a empresa alvo poderá agregar à empresa compradora. A distribuição é questão fundamental para as empresas do setor, pois é ela que vai determinar as possibilidades de inserção dos produtos da empresa no vasto território brasileiro. Quando a distribuição é própria, a complexidade é menor. Mas quando envolve terceiros, a negociação pode vir a ser bi-partida, uma com o vendedor, outra com o distribuidor. Achar o equilíbrio nas duas pontas é a chave de um negócio satisfatório para comprador e vendedor, sem sobressaltos ou surpresas no futuro.

Operações Cross Border – Tendências e Restrições
Nesse setor, como em tantos outros, são cada vez mais numerosas as aquisições que envolvem empresas estrangeiras, notadamente no papel de comprador. Das 18 fusões e aquisições do primeiro semestre de 2005, 11 tiveram a participação dessas empresas.

Tal participação pode ensejar restrições. Por exemplo, quando a operação envolve a aquisição de imóvel rural deve-se estar atento para verificar se o imóvel está situado em zona de fronteira. As restrições incluem, entre outras, a necessidade de prévia autorização do Conselho de Defesa Nacional para a aquisição. Outra restrição importante decorre da tendência mundial de consolidação de negócios nas mãos de grandes conglomerados econômicos. No setor de alimentos, onde o cenário ainda é de relativa pulverização entre empresas de médio e pequeno porte, grande parte delas com marcas próprias de boa penetração nacional ou regional, a consolidação traz um risco de concentração econômica muitas vezes indesejado.

Embora investimentos no país sejam necessários e bem-vindos, o governo já deu sinais de que não está pronto para avalizar consolidações que gerem riscos de alta concentração econômica. Exemplo dessa reação foi a decisão negativa do CADE no caso Nestlé/Garoto, como também a imposição de condições na formação da Ambev.

Não obstante, como o mercado ainda apresenta boas oportunidades de negócio, deve-se esperar que o apetite dos grupos com maior poder financeiro e perfil global continue crescendo. Na maior parte dos casos, o objetivo é consolidar a participação no mercado relevante e se posicionar perante a concorrência, igualmente capitalizada e global.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Como criar valor na era do conhecimento
Próxima matéria
A governança nas estatais




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Como criar valor na era do conhecimento
Por onde quer que se olhe, percebemos evidências do fim da era industrial, substituída pela era da informação e serviços...