CEO e chairman ainda acumulam função em 81% das maiores empresas dos EUA

Internacional / Edição 26 / 1 de outubro de 2005
Por 


As principais tendências identificadas pelo escritório de advocacia Shearman & Sterling na terceira edição de sua pesquisa anual com as 100 maiores companhias americanas refletem o processo de implementação dos novos padrões exigidos pela NYSE, pela Nasdaq, e pela Sarbanes-Oxley Act. Alguns costumes, contudo, há muito mal vistos pelo mercado, surpreenderam por ainda estarem tão presentes. É o caso da não-acumulação dos cargos de CEO e presidente do conselho (chairman), que foi diagnosticada em 19% da amostra, a despeito da grande projeção do tema. Essa foi, segundo o estudo, a prática que menos evoluiu nos últimos três anos — apenas 5%.

A maior mudança nesse período diz respeito à adoção da regra de voto majoritário para a eleição de conselheiros. Inexistente em 2003, o tema desta vez apareceu como proposta em 15 companhias. Embora adesões ainda não tenham sido oficialmente formalizadas, a pesquisa avalia que o voto majoritário vem sendo estimulado pela rejeição à regra de proxy access. Em dezembro de 2003, a SEC lançou uma proposta que visava garantir aos acionistas uma participação mais significativa nas eleições do conselho. Foi amplamente acolhida pelos investidores (mais de 16.000 deles se pronunciaram a favor) e fortemente rejeitada por lobistas que representavam associações de CEOs, como a Business Roundtable. Veja outros resultados do estudo:

• O número de conselheiros independentes é bastante superior ao mínimo exigido. A proporção é de 75% ou mais em 81 empresas;
• Cresce a freqüência das reuniões de conselho, atendendo à expectativa de que seus membros passem a dedicar mais tempo ao cumprimento de suas responsabilidades;
• Para assegurar a dedicação adequada, 42% das companhias analisadas já estabelecem políticas que limitam a participação de seus conselheiros em outros boards;
• As poison pills estão em declínio. Caíram, no último ano, 19%;
• A concessão de stock options como parte da remuneração de conselheiros também teve queda. Das 70 companhias que a adotavam em 2003, restam 55.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Justiça contraria a SEC sobre Fair Disclosure
Próxima matéria
A missão é comunicar




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Justiça contraria a SEC sobre Fair Disclosure
Na primeira semana de setembro, um tribunal federal norteamericano julgou improcedente a acusação de quebra da regulamentação...