Companhias delegam gestão do caixa

Edição 25 / 1 de setembro de 2005
Por 


Motivadas pela constatação de que mais transparência se traduz em mais valor para as ações ao longo do tempo, companhias estão atentas a um componente do balanço que costuma ficar longe dos holofotes: o caixa. A idéia é ampliar as informações disponíveis ao investidor sobre as aplicações dos recursos disponíveis, os riscos e as práticas de gestão.

A Petroflex resolveu implementar a idéia e começou dando um passo antes da transparência: a profissionalização do caixa. Terceirizou os serviços de gestão do caixa para a Mellon a partir deste semestre, liberando sua tesouraria para lidar com as atividades operacionais e deixando a cargo do especialista a tarefa de aplicar o dinheiro na hora e nos ativos certos, conferir os resultados e expor as informações.” As demandas da área comercial e industrial para a tesouraria vão passar a receber a devida atenção”, afirma Luiz Carlos Lopes, diretor financeiro da Petroflex.

Até então, o caixa da empresa vinha sendo aplicado em três fundos exclusivos, controlados pela tesouraria. A prática dificultava que os tesoureiros monitorassem se as aplicações do fundo estavam de acordo com a política de investimentos da companhia e, principalmente, que os investidores tivessem conhecimento sobre essas operações.

Roberto Pitta, da Mellon, conta que, a partir de agora, os acionistas passarão a ter acesso a uma base diária de dados. Ao contrário do modelo anterior, em que os fundos compravam cotas, a ordem passou a ser investir diretamente, o que facilitará a visualização das aplicações.

Delegar a gestão e administração do caixa deve ser uma tendência na opinião de Fábio Spinola, gestor do Credit Suisse Asset Management (CSAM), na medida em que a economia continue mostrando sinais de melhora e estabilidade. Atualmente, o CSAM faz a gestão ou a administração do caixa de aproximadamente 50 empresas, somando um total de R$ 700 milhões de recursos locais e US$ 400 milhões de fora. A Mellon controla o caixa de nove empresas, entre elas a AGF Seguros, que contratou o serviço este ano e está em processo de implementação.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Serviços extra-auditoria na mira da CVM
Próxima matéria
CRI adere à câmara de arbitragem




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Serviços extra-auditoria na mira da CVM
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu fechar o cerco às companhias que não cumprirem as exigências da Instrução...