Comitê lança recomendações de conduta para teleconferências

Edição 24 / 1 de agosto de 2005
Por 


O Comitê de Orientação para Divulgação de Informações do Mercado (Codim), lançado em julho por oito entidades do mercado de capitais com o intuito de discutir e recomendar as melhores práticas de divulgação de informações de companhias abertas, colocou em audiência pública o seu primeiro pronunciamento de orientação. O documento trata de teleconferências e foi elaborado com base em pesquisas de casos internacionais, sugestões e análise dos seus participantes – Apimec, Bovespa, Abrasca, entre outros.

O projeto visa estabelecer parâmetros de boas práticas que orientem as companhias. “Permite criar uma cultura de mercado. As empresas não serão obrigadas a cumprir o que é recomendado, mas acabarão sendo cobradas se não aderirem”, observa Geraldo Soares, coordenador do Codim.

Ao debater as teleconferências, as entidades concluíram que as companhias devem realizá-las para o mercado local em português. As que optarem por qualquer outra língua, deverão colocar no site versões traduzidas para os idiomas dos diversos públicos que participaram.

O Codim recomenda também que as teleconferências sejam acessíveis a todos os públicos estratégicos da companhia, sejam amplamente divulgadas, realizem-se no menor prazo possível se precedidas de um fato relevante e sejam acompanhadas de uma transmissão do áudio ao vivo pela internet, com apresentação de slides.

No pronunciamento, o Codim observa ainda que não deve haver nenhum tipo de filtro das perguntas registradas e que qualquer informação nova e relevante transmitida durante a teleconferência deve ser imediatamente informada à Comissão de Valores Mobiliários e divulgada no site da companhia. O comitê sugere ainda que as empresas declarem quanto tempo as teleconferências ficam disponíveis no site.

O próximo assunto a ser discutido pelo comitê é o polêmico “quiet period”. O tratamento de boatos e os cuidados com informações privilegiadas são dois outros itens da lista.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Novos setores ganham analistas especializados
Próxima matéria
Caso Disney distingue boas práticas do que prevê a lei




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Novos setores ganham analistas especializados
A entrada de empresas de novos setores na bolsa incentivou o Banco Itaú a criar uma área de análise específica para elas....