Conselhos em tempos de crise

Oportunidade de ouro para sair da passividade e agregar valor

Análise/Bimestral/Governança/Edição 150 / 4 de julho de 2016
Por 


Seja por erros internos ou pelo ambiente macroeconômico deteriorado, muitas companhias hoje atravessam uma crise. A situação constitui o verdadeiro teste de fogo para o sistema de governança e, particularmente, para os conselhos.

Nessas ocasiões, o conselho tem a oportunidade de demonstrar seu valor inestimável para a organização se conseguir evitar o pânico, manter o apoio dos stakeholders e exercer a liderança nas decisões difíceis. Há quatro passos principais que o órgão deve seguir:

1. Aceitar a realidade;
2. agir rapidamente para conter a crise;
3. modificar o papel do conselho durante a crise para adaptação à nova realidade;
4. comunicar de forma clara ações e soluções.

O primeiro passo é aceitar a nova (e dura) situação. Como “percepção é realidade”, o conselho deve ter ciência de que a companhia será muito afetada caso seus públicos de interesse acreditem, mesmo que só com base em rumores, que ela está em crise. Uma vez quebrada a confiança dos stakeholders, a empresa correrá o risco de entrar em uma espiral descendente na qual poderá perder cada vez mais recursos, profissionais, clientes e parceiros. Nessa etapa, um dos principais desafios é evitar gastar um tempo precioso procurando defender decisões anteriores ou culpando fatores externos. O conselho deve se concentrar em responder a duas questões: o que precisa ser feito imediatamente para a companhia sobreviver e o que é necessário fazer para a que companhia saia fortalecida da crise.

A aceitação leva ao segundo passo. Nele, a rapidez é essencial — e os conselheiros devem estar preparados para se dedicar muito mais do que o habitual. Entre as medidas que o órgão deve tomar destacam-se: evitar desperdício de recursos, a fim de “estancar o sangramento” imediatamente; identificar as causas que levaram à crise; evitar que a empresa fique paralisada; decidir sobre a substituição (ou não) de executivos; avaliar a necessidade de se criar um comitê dedicado à resolução da crise; procurar elevar o caixa para assegurar a solvência; comunicar o plano de resolução aos stakeholders.

No terceiro passo, a resposta específica depende principalmente da percepção de a diretoria ter ou não capacidade para lidar com a crise. Quanto menos o conselho perceber que os diretores são capazes de resolver os problemas, mais deverá “arregaçar as mangas”, atuando diretamente junto aos stakeholders e tomando decisões emergenciais (envolvendo até a substituição da própria gestão). Por outro lado, se o órgão avaliar que a gestão é competente, pode se dar ao luxo de se concentrar nas questões pós-crise, como o uso das lições aprendidas para promover mudanças estruturais na organização.

Os papéis do presidente do conselho e dos conselheiros independentes podem se alterar no período crítico. Além de manter as atribuições tradicionais, o presidente pode atuar nas negociações com stakeholders, liderar o comitê para resolução de crises, procurar sucessores para a diretoria e redesenhar os limites de atuação entre gestão, conselho e acionistas. Os conselheiros independentes também têm um papel-chave na crise. Cabe a eles, por exemplo, fazer perguntas ainda mais difíceis (mesmo que dolorosas ou incômodas) e até ajudar os executivos no comando dos negócios.

O último passo envolve a comunicação com os stakeholders. É nesse momento que o estabelecimento de um bom relacionamento prévio com eles faz diferença — como diz o adágio, “é muito improvável se conseguir fazer novos amigos no meio de uma crise”. É necessário um equilíbrio entre a admissão da gravidade da situação e a demonstração da confiança de que a empresa tem capacidade para se restabelecer. Outro elemento importante: não ocultar fatos relevantes ou criar expectativas irrealistas. Além de poder vir a ser objeto de processos, a empresa pode perder ainda mais apoio de seus públicos de interesse se agir assim.

É numa crise que os conselhos, muitas vezes criticados por sua passividade, têm uma oportunidade de ouro para demonstrar que podem agregar valor às organizações. Além de conseguir fazer a empresa atravessar o período turbulento, o conselho pode fazer com que ela aprenda lições fundamentais, de forma a emergir ainda mais forte.


*Alexandre Di Miceli da Silveira é sócio-fundador da Direzione Consultoria e autor de Governança corporativa: o essencial para líderes. O articulista agradece a Angela Donaggio pelos comentários e sugestões.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança conselho de administração board stakeholders comunicação crise Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bolsa divulga manifestações sobre reforma do Novo Mercado
Próxima matéria
Óleo e Gás: tendências para os próximos 15 anos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Bolsa divulga manifestações sobre reforma do Novo Mercado
As divergências entre os participantes do mercado sobre os itens mais polêmicos da reforma do Novo Mercado, segmento...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}