Anne Simpson

Gerente de portfólio sênior da Calpers

Especial/Governança Corporativa/Edições/Temas/Reportagem/10 anos de Novo Mercado / 1 de abril de 2012
Por 


“O Novo Mercado é o melhor exemplo de que boas práticas de governança são capazes de transformar a percepção dos investidores em relação a um mercado. Uma dica para os países que querem copiar o segmento é que não basta criar um conjunto de boas regras. É preciso o engajamento de todos os players importantes, como ocorreu no caso brasileiro. Lembro do apoio de várias frentes ao Novo Mercado, como o da Secretaria de Previdência Complementar, que autorizou os fundos de pensão a aumentarem o limite de investimento em companhias listadas no segmento. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também deu sua contribuição ao colocar como condição para alguns de seus financiamentos a adesão ao nível máximo de governança da Bolsa. Outra grande lição dada pelos brasileiros foi a paciência. Nos dois primeiros anos, o Novo Mercado contou apenas com a listagem da CCR e da Sabesp, por culpa de crises no Brasil e no exterior. Esses dois longos anos foram recheados de críticas ao Novo Mercado. Muitos comentavam que suas regras deveriam ser flexibilizadas, caso contrário, o fracasso seria inevitável. A paciência e a persistência mostraram que os críticos estavam errados.”




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional Bolsa de valores Governança Corporativa Novos Mercados Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nova renda fixa?
Próxima matéria
Simon Wong



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Nova renda fixa?
Com o juro baixíssimo nos Estados Unidos, vai-se o tempo em que era possível ter bons retornos e proteger o patrimônio...