Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
Balanço do Santander decepciona, e Fitch aponta desafios para grandes bancos
Lucratividade dos grandes bancos enfrentará desafios no curto prazo
Santander, Balanço do Santander decepciona, e Fitch aponta desafios para grandes bancos, Capital Aberto

O Santander inaugurou hoje a temporada de balanço dos grandes bancos com resultados abaixo do esperado. O lucro líquido ficou em R$ 2,204 bilhões no quarto trimestre de 2023 – recuo de 19,2% em relação ao trimestre anterior e alta de  30,5% ante o mesmo período de 2022. O consenso do mercado previa resultado de R$ 2,7 bilhões,  segundo a Bloomberg. No ano passado, o lucro líquido ficou em R$ 9,38 bilhões – queda de 27,3% em relação a 2022.

A margem financeira bruta foi de  R$ 14,05 bilhões no quarto trimestre, com alta de 4,8% na comparação trimestral. Em 2023, a cifra atingiu R$ 54.19 bilhões – 4,6% acima de 2022.

O balanço também revela que as despesas líquidas com provisões para devedores duvidosos (PDD) totalizaram R$ 6,84 bilhões – 21,7% acima do trimestre anterior, mas 7,2% abaixo da quantia registrada no quarto trimestre de 2022.

Desafios pela frente

Na visão da Fitch Ratings, o Santander não deve ser o único banco a enfrentar um cenário desafiador no Brasil. “Apesar dos primeiros sinais de estabilização da qualidade dos ativos dos grandes bancos brasileiros, a lucratividade enfrentará desafios contínuos de receitas no curto prazo”, diz a agência.

Santander, Balanço do Santander decepciona, e Fitch aponta desafios para grandes bancos, Capital Aberto

A análise está em relatório divulgado nesta semana sobre desempenho em 2023 e perspectiva para 2024 para quatro grandes bancos: Itaú Unibanco, Bradesco, Banco do Brasil e BTG Pactual. “A pressão sobre a receita de juros líquidos devido ao menor crescimento de novos empréstimos continuará a impactar as margens de juros líquidos”, analisa a agência,

O relatório também ressalta que, depois do escândalo das Americanas, as taxas de inadimplência permanecem mais sensíveis nos segmentos de varejo e pequenas e medias empresas (PME), embora ainda abaixo dos níveis históricos.

No Santander, a inadimplência do segmento PME foi de 4,0% –  um aumento em relação aos 3,8% do trimestre anterior e aos 3,7% registrados  no mesmo período de 2022. Para as grandes empresas, o índice ficou em 0,1%.


Quer saber para onde caminha o mercado? Confira o curso O Futuro das Finanças da Capital Aberto


Ajuda dos juros

No lado positivo, a Fitch avalia que os possíveis cortes nos juros podem oferecer vantagens às margens líquidas por conta da reposição de financiamentos. Mas ressalta que esse efeito será “moderado”, em decorrência da esperada “composição de empréstimos de menor rendimento”.

Na avaliação da agência, a redução da inflação e dos juros cortes nas taxas de juros devem colaborar com a capacidade de pagamento dos tomadores de crédito e consequentemente ajudar os bancos a gerenciar a qualidade de seus ativos.

“Esses bancos ainda podem absorver choques moderados adicionais na qualidade dos ativos, dada a robustez de sua lucratividade”, completa o relatório.


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.