Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
O escândalo da Wirecard: uma luta pela verdade
A longa saga para expor a maior fraude da história do mercado de capitais alemão
Wirecard, O escândalo da Wirecard: uma luta pela verdade, Capital Aberto

O enredo dos escândalos financeiros é conhecido, e já existe vasta literatura sobre as Enrons, Worldcoms e afins no mundo. Neste caso, porém, a história surpreende até pelo país onde a fraude foi perpetrada: a séria e circunspecta Alemanha. Em um certo momento, a empresa de tecnologia Wirecard chegou a valer US$ 30 bilhões, mais que o Deutsche Bank, o maior banco comercial do país. Mas, como dizem, é possível enganar muitos por muito tempo, mas não todos o tempo todo. O dia do juízo final chegou sob a forma de um pedido de falência da companhia em junho de 2020, arrastando vários de seus executivos para a prisão.

Dan McCrum, um jornalista do Financial Times, inicia a saga de 7 anos de investigação a partir de uma dica corriqueira para analisar uma empresa alemã de processamento de pagamentos que rivalizava com as “techs” americanas na Europa. Até chegar ali, a Wirecard já havia pivotado algumas vezes.

Nascida no auge da bolha da internet, em 1999, a empresa oferecia soluções de pagamento para sites de apostas e pornografia, sempre no limite da lei nas jurisdições onde operava. À medida em que os reguladores desses países encontravam o fio da meada e encurralavam a empresa, seu instinto de sobrevivência encontrou o caminho do processamento de pagamentos. A entrada do COO Jan Marsalek (2010) e a expansão para a Ásia aceleraram o crescimento da Wirecard, atraindo a curiosidade dos que suspeitavam que era muito bom para ser verdade.

A investigação avançava lentamente quando a Zatarra Research publica um relatório, em 2016, expondo as práticas da Wirecard e anunciando a venda da ação a descoberto, para lucrar com a queda no preço quando o mercado percebesse a fraude. A empresa responde com uma forte campanha de relações públicas para se proteger e acusa a Zatarra de “insider trading”, conseguindo a aprovação do órgão regulador dos bancos alemães. Resultado: não só o CEO da Zatarra foi preso como a Wirecard elevou sua capitalização de mercado e entrou para o seleto clube das blue chips germânicas, o índice DAX 30.

Mas o que estava acontecendo? Uma passagem do livro resume de forma simples o mecanismo recorrente da fraude: ao criar lucros fictícios, cria-se também o problema do caixa fictício. E esse é o primeiro lugar que os auditores vão olhar, em um processo chamado de circularização (o auditor checa se o saldo de caixa e bancos do balanço publicado está mesmo no banco). Como ele não existia, era necessário “gastá-lo” na compra de ativos (empresas) fictícias. A Wirecard fabricou resultados e “investiu” a rentabilidade na compra de negócios de fachada na Ásia. Apresentou, assim, elevada taxa crescimento, compatível com a de uma empresa de tecnologia.

Finalmente, um executivo da Ásia, temendo ser envolvido, resolve entregar documentos a McCrum. E o Financial Times publica uma reportagem avassaladora em 2019, envolvendo a empresa, auditores relaxados e incompetentes e reguladores negligentes. O jornalista teve sua prisão decretada na Alemanha, além de várias ameaças a sua família e sua carreira em uma narrativa digna de filme (não percam o documentário Skandall, na Netflix). A ficção por vezes fica chocada com a vida real.

Money men: a hot startup, a billion dollar fraud, a fight for the truth

Dan McCrum

Transworld Digital

335 páginas

1a edição ― 2022

*Peter Jancso é conselheiro independente

Leia também:

“A maior inovação financeira da história”

Bilionário fracassado


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.