Navegar por riscos e complexidade regulatória

Os líderes empresariais enfrentam diversos desafios: de um lado, lidam com pressão dos investidores por crescimento, inovação e resultados; de outro, com novos riscos como tecnologias, instabilidade econômica, ameaças cibernéticas e interrupções na cadeia de fornecimento. As questões regulatórias …

PwC | Compartilhar valor / 4 de março de 2018
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Os líderes empresariais enfrentam diversos desafios: de um lado, lidam com pressão dos investidores por crescimento, inovação e resultados; de outro, com novos riscos como tecnologias, instabilidade econômica, ameaças cibernéticas e interrupções na cadeia de fornecimento.

As questões regulatórias são outro desafio para os líderes. Uma pesquisa da PwC com cerca de 1.400 CEOs mostra que para 88% dos entrevistados no Brasil o excesso de regulação é a maior ameaça aos negócios, superando o aumento da carga tributária (86%), falta de infraestrutura (81%) e incertezas quanto ao crescimento econômico (74%).

No mundo, o excesso de regulação é a segunda maior ameaça, apontada por 80% dos CEOs, atrás apenas de incertezas quanto ao crescimento econômico (82%). Outros riscos identificados pelos líderes empresariais são a disponibilidade de mão de obra qualificada, aumento do protecionismo, que pode frear o comércio exterior – e os avanços tecnológicos. O desenvolvimento da inteligência artificial, da internet das coisas, da robótica avançada, da Impressora 3D e de data analytics está mudando o ambiente de negócios. Para 86% dos CEOs brasileiros (e 75% dos globais), essas tecnologias vão remodelar a competição nos próximos cinco anos.

A complexidade é crescente. Os executivos precisam saber lidar com essas questões com confiança e clareza. Para isso, é importante fazer a gestão de riscos.

Usar análise de dados de forma proativa para manter um bom controle sobre os riscos e as complexidades regulatórias é fundamental. A gestão de riscos deve ser intrínseca na estrutura da organização – e deve estar presente na definição da estratégia. Dessa forma, sua empresa será mais ágil do que a concorrência e estará preparada para tirar proveito das disrupções – em vez de sofrer com elas.

 

Gostou do artigo?

Cadastre-se e não perca nenhum texto deste canal.
Receba por e-mail um aviso sempre que um novo texto for publicado.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Eventual mudança na data de encerramento do período de silêncio
Próxima matéria
Justo para quem?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Eventual mudança na data de encerramento do período de silêncio
Com a vigorosa retomada de ofertas iniciais de ações (IPOs) e de ofertas subsequentes de ações (follow-ons) no mercado...