CVM condena insider secundário em caso Globex

Colegiado aceitou argumentos da SPS e aplicou multas pecuniárias a quatro acusados

Pinheiro Neto | Jurisprudência / 29 de junho de 2018
Por , e    /    Versão para impressão Versão para impressão


Fonte: Grau180

No último dia 19 de junho, o colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) julgou o processo sancionador (PAS)1 instaurado pela Superintendência de Processos Sancionadores (SPS) para analisar um possível uso de informações privilegiadas na negociação de emissões da Globex Utilidades S.A. As transações suspeitas foram efetivadas perto da data em que a empresa publicou fato relevante sobre seu acordo de associação com a Casas Bahia. O colegiado concluiu que pessoas que não tinham dever de sigilo usaram informação relevante ainda não divulgada para obter benefícios — daí a caracterização do insider trading secundário2.

O fato relevante em questão saiu em 4 de dezembro de 2009, dia em que as ações da Globex subiram 28,36% e com volume de 636,9 mil ações negociadas — isso depois de uma alta de 35,42% na véspera, quando a liquidez já havia passado de 6 mil para 73,4 mil ações. As variações expressivas chamaram a atenção do regulador, que identificou quatro investidores3 cujo histórico de negociação sugeria insider secundário: Guilherme Soter, Rodrigo da Silva, Cláudia da Costa e Henvironmenth Sistema Ambientais S/C Ltda. Os três últimos foram responsáveis, em conjunto, por 67,7% do volume de negociação das ações da Globex naquele 4 de dezembro.

A SPS identificou indícios de associação dos acusados ao insider secundário, em decorrência do timing das operações, das relações pessoais entre eles e da atipicidade das operações. Em conjunto, a área técnica entendeu que os indícios eram suficientemente robustos para embasar a acusação, em linha com outros precedentes na CVM.

Segundo o processo, Soter iniciou o relacionamento com a corretora que intermediou as operações apenas dois dias antes da efetivação das operações, não fez outra operação com ações em 2009 e 2010 (a compra de ações da Globex foi sua primeira operação no marcado de ações), era proprietário de uma empresa que tinha as Casas Bahia como um dos seus principais clientes e havia participado de oito reuniões recentes com executivos das Casas Bahia antes de dar a ordem de aquisição de ações da Globex (das quais participou um parente próximo do controlador da rede varejista com quem tinha relacionamento social). Além disso, morava no mesmo condomínio de Silva —cujo pai era diretor da Henvironmenth e namorado de Costa. Por fim, o volume financeiro da operação era relevante quando considerado o patrimônio declarado por ele à corretora.

Ainda de acordo com a SPS, Costa aportou 130 mil reais em sua conta na corretora no dia da operação (mesmo com patrimônio declarado de 450 mil reais e salário de 10 mil reais) e demonstrava pressa para que suas operações fossem concluídas, conforme mostram gravações da mesa da corretora. Já a Henvironmenth havia efetivado apenas a operação com ações da Globex naquele ano, tendo liquidado sua posição em outro papel, inclusive com prejuízo, justamente para aplicar o valor auferido na compra de ações da empresa.

Ao analisar o caso, o relator Gustavo Borba lembrou precedentes da CVM sobre infrações por insider, nos quais se levaram em consideração o histórico de operações do acusado, o timing das operações, o montante investido (quando comparado ao patrimônio do acusado e/ou outros investimentos equivalentes), a fundamentação econômica da operação e a rede de relacionamentos do acusado, pontos que foram apresentados pela acusação e ratificados pelo colegiado. O relator destacou ainda que, em linha com outros precedentes da autarquia, não é necessário se demonstrar como os acusados tiveram acesso à informação, desde que os indícios da infração sejam “robustos, múltiplos e convergentes” — como se julgou ser o caso.

O relator, acompanhado pelos demais integrantes do colegiado, condenou os quatro acusados ao pagamento de multa pecuniária individual equivalente a uma vez e meia os respectivos benefícios econômicos auferidos com as operações.


Por João Marcelo Pacheco (jmpacheco@pn.com.br), sócio de Pinheiro Neto Advogados; Cauê Rezende Myanaki (cmyanaki@pn.com.br) e Antonio Siqueira Filho (afilho@pn.com.br), respectivamente associados sênior e júnior do escritório.


1Processo Administrativo Sancionador CVM nº 01/2014.

2O insider é considerado secundário quando o agente que teve acesso a uma informação relevante e ainda não divulgada ao mercado não tem relação profissional com a companhia a que a informação relevante se refere; ou seja, obteve a informação de algum insider primário (ou outro secundário).

3Nas operações investigadas pela área técnica da CVM, Soter obteve lucro de cerca de 98 mil reais e Silva lucrou aproximadamente 8,4 mil reais. Os lucros de Costa e da Henvironmenth ficaram em torno de, respectivamente, 67,6 mil reais e 105 mil reais.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Insider trading Globex informação privilegiada insider secundário Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Fisco gera incerteza na venda de imóvel por empresas patrimoniais
Próxima matéria
Chamar Bolsa de B3 é marketing tolo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Fisco gera incerteza na venda de imóvel por empresas patrimoniais
No regime conhecido como lucro presumido, tributa-se a receita operacional de uma empresa — aquela auferida no desenvolvimento...