- Capital Aberto - https://capitalaberto.com.br -

Acatado recurso em caso envolvendo pedido de análise reservada

Arte: Pinheiro Neto

Em reunião extraordinária1, o colegiado da CVM decidiu, por unanimidade, dar provimento parcial ao recurso interposto pela C&A Modas S.A. contra decisão da Superintendência de Relações com Empresas (SEP) e da Superintendência de Registro de Valores Mobiliários (SRE). O caso está relacionado ao pedido simultâneo de registros de companhia aberta2 e de oferta pública inicial de ações (IPO) e envolveu solicitação de tratamento reservado, nos termos da Deliberação 809.

Essa deliberação trouxe uma regra experimental que prevê a possibilidade de sigilo na análise de pedidos de registros de ofertas públicas de distribuição de ações e de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação. No caso específico, as áreas técnicas da CVM determinaram que, tendo em vista a divulgação de reportagens sobre o IPO antes do protocolo do pedido de registro da oferta, não caberia uma análise reservada.

A SEP e a SRE argumentaram que a norma (exceção ao caráter público dos processos administrativos da CVM) tem como objetivo resguardar a informação até que ela vá ao conhecimento do mercado — e, tendo em vista a prévia divulgação na mídia sobre a emissão em questão, sua aplicação não seria possível. A C&A recorreu3 sustentando que a análise reservada deveria proteger tanto a informação referente à intenção de abertura do capital quanto todo o conteúdo do pedido de registro. Além disso, defendeu que o reconhecimento da confidencialidade prevista na Deliberação 809 seria uma faculdade conferida ao emissor, de modo que, quando devidamente fundamentada, deveria ser observada independentemente da existência de reportagens publicadas.

A companhia também argumentou que, além da necessidade de divulgação de documentos sensíveis (com dados financeiros e informações estratégicas), cuja apresentação não é obrigatória para companhias de capital fechado, uma eventual desistência do processo poderia gerar um impacto negativo em sua imagem, o que lhe conferiria um interesse legítimo na manutenção do sigilo de seus pedidos de registro.

Outro argumento relevante do recurso foi o de que a existência de notícias sobre os pedidos de registro não deveria impossibilitar a concessão do regime de análise reservada, já que a justificativa para o sigilo seria conferir ao emissor um maior controle sobre a divulgação de suas informações em um momento sensível. Ademais, a companhia sustentou que não deveria ser prejudicada pela divulgação de informações não autorizadas por terceiros.

As áreas técnicas analisaram o recurso e reiteraram seu entendimento inicial, afirmando que no momento de elaboração da Deliberação 809 não se considerou a possibilidade de dissociação da informação referente ao recebimento do pedido de registro de oferta pública de ações da respectiva documentação relacionada ao pedido. Nesse sentido, a única motivação possível para solicitação do sigilo previsto na deliberação seria proteger a exposição do emissor ao mercado em caso de desistência da oferta, o que não ocorreria quando ela já tivesse se tornado de domínio público em virtude de sua divulgação na mídia.

Adicionalmente, a SEP e a SRE ressaltaram que, sendo a publicidade a regra para os processos administrativos da CVM, não caberia à autarquia extrapolar a interpretação de normas que restringissem o acesso às informações que detém. De maneira similar, a disseminação de informações relacionadas ao emissor e aos valores mobiliários ofertados possibilita que potenciais investidores tenham bases sólidas para fundamentar suas decisões de investimento. Por fim, as áreas técnicas destacaram que a própria Deliberação 809 prevê4 que, na hipótese de a informação relativa ao pedido de registro de oferta pública de distribuição em análise reservada ter escapado do controle, o emissor deverá informar o fato à SRE e à SEP, para que seja dada publicidade ao respectivo pedido (e ao pedido de registro de companhia aberta concomitante, se aplicável) — e divulgar imediatamente um fato relevante a esse respeito caso já esteja registrado como companhia aberta.

Na análise do recurso, o colegiado fez interpretação divergente das áreas técnicas, afirmando que a perda do controle da informação sobre os pedidos de registro sob análise reservada, embora não permita a manutenção do sigilo sobre a existência desses pedidos, não obriga a CVM a tornar públicos os documentos que lhe foram apresentados. Portanto, o tratamento reservado não serviria apenas para evitar que o mercado tomasse conhecimento da existência de um processo de abertura de capital em análise, mas também para proteger o sigilo dos documentos e informações apresentados à CVM, enquanto estiverem sob sua revisão inicial.

Assim, o colegiado decidiu, por unanimidade, pelo provimento parcial do recurso. Determinou que a informação sobre a existência dos processos de registro fosse disponibilizada nos sistemas da CVM em dois dias úteis, ao mesmo tempo em que foi mantido o tratamento reservado aos documentos fornecidos à autarquia para instrução dos pedidos de registro.


Notas

1 Reunião realizada em 6/9/2019
2 Protocolo de 30/8/2019
3 Recurso de 3/9/2019
4 No item VI


Leia também

CVM absolve XP e Benchimol em caso de falhas no sistema de registro de ordens da corretora

CVM absolve diretor de RI que deixou de divulgar fato relevante

Caso OGX provoca debate sobre limite do dever de diligência

 


Gostou do artigo?

Cadastre-se e não perca nenhum texto deste canal.
Receba por e-mail um aviso sempre que um novo texto for publicado.