Compra de terras

Eventual fim de restrição a capital estrangeiro é boa notícia

Felsberg | Reestruturação / 12 de março de 2017
Por , , e    /    Versão para impressão Versão para impressão


O agronegócio é um dos setores que mais cresce no Brasil. De janeiro a outubro de 2016, o PIB do setor aumentou 4,28% em relação a igual período de 2015, mostra estudo da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) feito em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP. Já o PIB a preços de mercado, que engloba todos os setores de atividade no País, apresentou, no mesmo intervalo, queda de 3,1%, segundo o IBGE.

Apesar de um cenário favorável ao agronegócio de maneira geral, alguns setores específicos sofrem com crise econômica, alto endividamento e interferências externas. No segmento sucroalcooleiro, por exemplo, apenas no ano passado, 13 usinas entraram com pedidos de recuperação judicial. Ao todo, elas devem aos bancos cerca de R$ 8 bilhões. Desde 2008, um total de 79 usinas entrou em processo de recuperação — um terço delas deixou de operar, de acordo com a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Não apenas as instalações das usinas estão em propriedades rurais: essas terras são, geralmente, o principal ativo dessas empresas. Em outras palavras, sem o ativo imobiliário a atividade sucroalcooleira não pode ser desenvolvida.

A Lei de Recuperações de Empresas (LER) permite, como um dos meios de recuperação judicial, a alienação de unidades produtivas isoladas (UPIs) das empresas em recuperação. A essas unidades são conferidos os melhores ativos da recuperanda, que podem ser inclusive imobiliários. O grande trunfo das UPIs está no fato de que sua alienação pode ocorrer sem que haja sucessão do adquirente nas dívidas da empresa em recuperação, conforme estabelece o art. 60 da LER.

No caso das usinas de álcool e açúcar, a inclusão de seus ativos imobiliários rurais nas UPIs é mais do que desejável, já que é muitas vezes necessária para o sucesso da alienação, considerando as características do mercado.

Porém, desde 2010 a aquisição de terras rurais por empresas nacionais de capital estrangeiro é proibida no País, restrição determinada no Parecer no 01/2008-RVJ, da Advocacia Geral da União (AGU). Antes da publicação desse parecer, o Poder Executivo permitia a aquisição de terras rurais por empresas nacionais de capital estrangeiro com base na interpretação da Lei Federal 5.709/71, que dispõe sobre a aquisição de terras por estrangeiros.

O parecer alterou a interpretação da lei, estabelecendo que não apenas pessoas jurídicas não autorizadas a operar no Brasil não podem adquirir imóveis rurais, mas também pessoas jurídicas brasileiras “da qual participem, a qualquer título, pessoas estrangeiras físicas ou jurídicas que tenham a maioria do seu capital social e residam ou tenham sede no exterior”.

A restrição imposta pelo parecer importou, naturalmente, em perdas para o setor imobiliário e para o ambiente de recuperação judicial. No caso específico das usinas sucroalcooleiras, a impossibilidade de alienação de UPIs com terras rurais para empresas nacionais de capital estrangeiro é uma desvantagem — tanto para a recuperanda quanto para os credores. Isso porque, havendo mais concorrentes nos leilões de alienação, espera-se maior retorno financeiro sobre o ativo.

As recentes notícias de que o governo Temer pretende alterar regras de aquisição de terras rurais por estrangeiros são bem-vindas por todos. Afinal, desde a promulgação da Emenda Constitucional nº 6 de 1995, foi suprimida da Constituição Federal a discriminação às empresas nacionais em função da origem de seu capital social.


*Fabiana Solano (fabianasolano@felsberg.com.br), Fernanda Amaral (fernandaamaral@felsberg.com.br), Mauricio Pepe De Lion (mauriciodelion@felsberg.com.br) e Lucas von Wieser Ruggeri (lucasRuggeri@felsberg.com.br) são, respectivamente, sócios e associado de Felsberg Advogados


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  agronegócio capital estrangeiro Felsberg Fernanda Costa do Amaral Fabiana Solano Mauricio Pepe De Lion Lucas von Wieser Ruggeri Canal Felsberg Canal reestruturação terras rurais Lei de Recuperações de Empresas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bolsa emplaca reforma do Novo Mercado, mas Nível 2 permanece estagnado
Próxima matéria
Investimento espinhoso




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Bolsa emplaca reforma do Novo Mercado, mas Nível 2 permanece estagnado
As companhias do Novo Mercado já podem começar a se preparar para conviver com regras mais rígidas de governança....