Gestor tributário está mais apto para desafios estratégicos

Acesse a página da área de Impostos da Deloitte para conhecer esse e outros estudos. Transitar por diversos temas e áreas de negócios, atender ao rígido controle das autoridades fiscais e lidar com as contínuas mudanças do ambiente regulatório. A rotina do gestor tributário no Brasil envolve, cada …



Acesse a página da área de Impostos da Deloitte para conhecer esse e outros estudos.

Transitar por diversos temas e áreas de negócios, atender ao rígido controle das autoridades fiscais e lidar com as contínuas mudanças do ambiente regulatório. A rotina do gestor tributário no Brasil envolve, cada vez mais, essas atividades — o que tem exigido para a função um perfil profissional multifacetado, com conhecimentos contábeis, financeiros, jurídicos e de gestão de riscos e processos.

Essa é uma das constatações do estudo “Termômetro tributário 2015 – Tendências e desafios do profissional de impostos no Brasil”, elaborado pela Deloitte a partir das respostas de 168 profissionais, dos quais 58% atuam na função de gerente. Das organizações participantes, um terço fatura mais de R$ 1 bilhão por ano e 42% são de capital estrangeiro.

Como prioridades para os próximos dois anos, os profissionais entrevistados elencam a melhora da qualidade técnica da equipe (75%), a identificação de novas oportunidades de planejamento tributário (73%), o aumento da eficiência do compliance (59%) e o investimento em qualificação pessoal (52%). Metade indica que formar um sucessor está nos planos, o que sugere expectativas de promoção ou novos desafios.

Qual é o retrato desse profissional hoje? Entre as principais atribuições atuais, as de caráter técnico continuam à frente. Em primeiro lugar, empatadas com 79%, aparecem o atendimento a fiscalizações e a aprovação de decisões técnicas. As funções gerenciais vêm a seguir: contratação e demissão de pessoas (77%), aprovação de treinamentos (68%) e definição de metas (66%).

Com a necessidade cada vez maior de habilidades gerenciais (agora e em um futuro próximo) e a interação mais frequente com outras áreas, aumenta a cobrança por conhecimentos de gestão. “Os gestores da área tributária vêm buscando, continuamente, uma melhor qualificação. Do total de entrevistados, 83% possuem pós-graduação ou mestrado em áreas como controladoria e finanças, direito tributário, contabilidade e gestão tributária, o que indica um perfil altamente capacitado”, destaca Marcelo Natale, sócio da área de Consultoria Tributária da Deloitte.

 

Gostou do artigo?

Cadastre-se e não perca nenhum texto deste canal.
Receba por e-mail um aviso sempre que um novo texto for publicado.



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  gestor tributário Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Critério para liquidação de fundos não é aplicável a FIIs e FIPs, diz CVM
Próxima matéria
Risco ambiental e a precificação de ações



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Critério para liquidação de fundos não é aplicável a FIIs e FIPs, diz CVM
O arcabouço regulatório dos fundos de investimento foi reformado no fim de 2014, com a edição da Instrução 555 da CVM....