O que o futuro reserva para a indústria financeira

Deloitte | Audit & Assurance / Edição 23 / 24 de março de 2016
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

O que o futuro — não muito distante — reserva para o setor financeiro? Bancos 100% virtuais, seguradoras com produtos cada vez mais customizados, fim do dinheiro (até mesmo do de “plástico”), pequenas empresas de tecnologia financeira (as fintechs) abocanhando parte dos negócios, ocaso da economia de escala, novas fontes de capital… E melhor que tudo isso: mercados mais acessíveis, transparentes e baratos para os consumidores.

Essas são as principais constatações de um estudo global realizado pela Deloitte e pelo Fórum Econômico Mundial, que entrevistou representantes de instituições financeiras, profissionais de startups, acadêmicos e observadores do setor para sondar as prováveis consequências das inovações disruptivas na indústria financeira.

Batizado de “Cleared for Takeoff — Five Megatrends that will Change Financial Services”, o estudo mostra que a inovação para a indústria financeira ocorre hoje a partir de clusters — que podem parecer isolados, mas têm características comuns. Eles geram grandes efeitos não apenas para seus apoiadores e clientes, mas para todo o sistema financeiro. A publicação traz, ainda, a informação de que os provedores de serviços inovadores são empresas pequenas e médias, com novas e sofisticadas capacidades. “Os benefícios da escala vão acabar. O modelo universal de banco vai ser a desagregação”, prevê o estudo.

Por qual caminho, então, seguir? “A tecnologia está a serviço dos bancos para oferecer agilidade e otimização, e pode promover maior competitividade”, assinala Clodomir Félix, sócio-líder da Deloitte para o atendimento à indústria de serviços financeiros. “Isso pode se refletir em uma revisão das tarifas”, exemplifica.

Por meio das novas tecnologias que se baseiam em análise de dados e perfil dos clientes, ressalta Félix, outra grande tendência é a personalização de serviços. “O setor financeiro está cada vez mais orientado para o melhor uso da informação disponível. Para se trabalhar com um grupo como o de jovens de 18 a 22 anos, é possível, por exemplo, visualizar o comportamento de um público mais específico, como os universitários, e oferecer a ele serviços customizados.”

Há também tendências importantes para o mercado segurador. “As empresas investem cada vez mais em telemática e análise de dados comportamentais, para conhecer melhor o cliente e oferecer produtos mais baratos e aderentes ao perfil individual. Essas tecnologias demandam alto investimento e grande modernização da infraestrutura tecnológica mas, em contrapartida, prometem revolucionar as metodologias de mensuração dos riscos e de precificação”, diz Elias Zoghbi, sócio da área de Consultoria em Gestão de Riscos da Deloitte e líder para o atendimento ao setor de seguros.

Ainda em relação ao modelo de negócio dos bancos, o estudo diz que as instituições financeiras tradicionais (reguladas e caras) serão substituídas pelo conceito de “bank as a platform”, nova forma de operação e interação que já começa a ser desenhada. Com isso, os bancos terão de se aliar a competidores não tradicionais — as startups financeiras — para tirar vantagem das novas oportunidades em produtos, serviços e modelos de vendas. Segundo o estudo, a digitalização e a mobilidade garantem crescente poder aos clientes — e, nesse cenário, os bancos de varejo podem sofrer mais com a perda gradativa da importância da economia de escala.

Confira o estudo completo neste link.



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  tecnologia Futuro do mercado Indústria financeira Fintechs

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Capital ou dívida?
Próxima matéria
Divergências ameaçam unidade de código brasileiro de governança




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Capital ou dívida?
Ações com características de dívida, bonds que dão direitos de acionista. Há alguns anos, as emissões de instrumentos...