Desafios da transformação digital

Deloitte | Audit & Assurance / 17 de março de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

Estamos vivenciando um intenso processo de transformação digital, que se apresenta em velocidade nunca antes vista pelas empresas. Os avanços da tecnologia da informação (TI) e de suas ferramentas permitiram às organizações viabilizar ideias inovadoras, capazes de modificar por completo seus mercados. A evolução digital é parte integrante da maioria das empresas — de forma incremental ou revolucionária ou até mesmo para se defender de novas ameaças criadas pela competição.

É cada vez mais comum o aparecimento de cargos e funções com designações acompanhadas da palavra “digital”, como chief digital officer (CDO). No entanto, organizações maduras e com sucesso na trilha de transformação digital investiram de forma integrada em todas as suas atividades, promovendo um alinhamento organizacional e superando as barreiras comuns, como falta de recursos e de talentos.

Como evitar as armadilhas e se preparar para o mercado?

Algumas características das organizações maduras na trilha digital devem ser observadas. A pesquisa “Aligning the organization for its digital future”, de 2016, desenvolvida pela Deloitte em parceria com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), sobre negócios digitais nos oferece alguns importantes insights:

• Integrar a estratégia geral à digital: é necessário integrar as estratégias digital e corporativa. Companhias com menor grau de maturidade digital ainda tratam suas estratégias de maneira separada. O planejamento de TI, por exemplo, deve considerar dimensões como governança e finanças.

• Criar uma cultura digital efetiva: programas de inovação contínuos e que provoquem uma mudança de mindset são exemplos. Ações por projetos ou forças-tarefa de transformação que combinem lideranças de diversas áreas, de forma a permitir que haja um engajamento a favor de um objetivo único com foco no resultado final, ilustram bem como evitar armadilhas como a morosidade e a baixa energia da complexidade política das hierarquias.

• Comprometimento dos executivos sêniores: a transformação deve ser iniciada por eles, para reter e transformar talentos. Um caso prático é a liderança de incubadoras dentro da própria companhia.

• Investir em talentos internos e planejar o desenvolvimento de capacidades e habilidades pessoais: essas iniciativas podem ser adotadas por meio da implementação da filosofia do suplychain. Isso comprova que há uma preocupação com a identificação de futuras demandas e habilidades, assim como em acompanhar metodologias de desenvolvimento e de planejamento para que essas habilidades sejam incrementadas, criadas e disponibilizadas no momento certo.

• A importância dos softskills: Em vez da preocupação apenas com a qualificação voltada ao domínio de toda nova tecnologia, habilidades como capacidade gerencial e pensamento inovador, entre outros atributos voltados à liderança e à colaboração, são fundamentais.

Considerando as dimensões abordadas pela pesquisa, observa-se que para trilhar a transformação digital é importante integrar cultura, pessoas, processos, estruturas e atividades de forma alinhada, criando uma estratégia unificada. É importante, portanto, fazer essa transformação de forma coesa, rápida e robusta, principalmente por meio de ações práticas voltadas a resultados, evitando armadilhas comuns e acelerando na direção da maturidade digital com segurança.


*Por Fábio Pereira, diretor da área de Consultoria e líder em Tecnologia, Estratégia e Arquitetura da Deloitte



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  Deloitte tecnologia Canal Deloitte transformação digital avanços tecnológicos tecnologias disruptivas cultura digital

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Requisitos para contabilidade de hedge serão menos rigorosos a partir de 2018
Próxima matéria
Apesar de ano ruim, gestores enxergam horizonte melhor para o investimento em private equity




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Requisitos para contabilidade de hedge serão menos rigorosos a partir de 2018
Em 1o de janeiro de 2018 entrará em vigor o CPC 48. Editada pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no ano passado,...