Crowdfunding de investimento ganha regras específicas

Cascione, Pulino | Securitização / 20 de agosto de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Ilustração: Grau 180

Ilustração: Grau 180

Ao editar a Instrução 588, no último dia 13 de julho, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) passou a oferecer às empresas de pequeno porte uma nova alternativa para captarem recursos no mercado de capitais. A partir de agora, há regras para a operação das plataformas eletrônicas que fazem a ligação entre investidores e emissores em operações de crowdfunding de investimento, além de diretrizes para as ofertas de valores mobiliários feitas nesse contexto, limites de investimento e disposições sobre o funcionamento de sindicatos de investimento participativo. Com essa norma, a CVM pretende reforçar a segurança para os investidores de um segmento novo, mas que tem grande potencial para se desenvolver.

A despeito do intenso ritmo de crescimento nos últimos anos de startups de diversas áreas e de fintechs (startups do setor financeiro), o financiamento dessas empresas por meio do mercado de capitais ainda enfrentava limitações decorrentes de um marco regulatório direcionado a empresas de maior porte, como as regras gerais para ofertas públicas de valores mobiliários (instruções 400 e 476) e a captação de recursos via aportes de fundos de investimento em participações (FIPs). “Faltava uma regulamentação específica para o crowdfunding de investimento, o que gerava insegurança no mercado. A Instrução 588 foi editada para atender essa demanda e proporcionar maior segurança em torno dessa nova modalidade de investimento”, comenta Marcelo Padua Lima, advogado associado do escritório Cascione, Pulino, Boulos & Santos Advogados.

O advogado ressalta a importância da Instrução 588 ao comentar que as captações feitas via instruções 400 e 476 e os investimentos recebidos via FIPs (cuja regulamentação foi reformada há um ano, com a Instrução 578) costumam envolver custos mais elevados, maiores exigências para os emissores/companhias investidas e, dependendo do caso, registros na CVM — o que afastava as empresas de pequeno porte.

Embora a Instrução 578 tenha criado a figura do FIP capital-semente, com exigências reduzidas para captação de recursos por empresas de pequeno porte, o investimento nesse tipo de fundo é restrito para investidores qualificados — diferentemente do crowdfunding de investimento, que permite o investimento pelo público em geral. Assim, a Instrução 588 possibilita captações mais pulverizadas, no ambiente virtual e com dispensa de registro prévio na CVM. “As operações de FIP capital-semente e do crowdfunding de investimento podem ter como objeto o investimento em empresas semelhantes, mas o público-alvo é diferente. Essa é uma das razões da importância da nova instrução”, observa Padua.

A Instrução 588 flexibiliza as emissões, mas estabelece limites e reforça as exigências às plataformas virtuais. Segundo a norma, só podem captar recursos nessa modalidade empresas que tenham receita bruta anual de até 10 milhões de reais, o valor das ofertas é limitado a 5 milhões de reais, com prazo máximo de captação de 180 dias. Como regra geral, o investidor pode aplicar até 10 mil reais por ano, limite que se amplia em situações excepcionais, como no caso do investidor-líder — que, no modelo de sindicato previsto pela instrução, pode ter uma atuação mais participativa na gestão da empresa investida. “A CVM demonstra preocupação em limitar o risco a que se expõem os pequenos investidores no financiamento de startups por essa modalidade”, destaca o advogado Marcus Vinicius Pulino, sócio do escritório.

Padua ressalta, ainda, o aumento das exigências para as plataformas virtuais no crowdfunding de investimento — o que delas deve exigir investimentos e um intenso trabalho de adaptação. A Instrução 588 determina que as plataformas apresentem em suas páginas na internet detalhes das operações em andamento, avisos de encerramento de captações e outras informações relativas às estruturas de crowdfunding de investimento, num esforço para garantir a transparência das atividades. Conforme a nova instrução, as plataformas virtuais de crowdfunding de investimento devem ser registradas na CVM; o capital mínimo exigido é de 100 mil reais. Um detalhe interessante é o fato de a autarquia ter vedado às plataformas a exclusão de comentários negativos sobre suas operações nos chats que mantêm na internet (ressalvados os comentários de conteúdo inadequado).

Na redação da Instrução 588, a CVM fez questão de esclarecer que a norma não se aplica a operações de empréstimos entre particulares feitos pela internet com a intermediação de plataformas online — modalidade conhecida como “peer-to-peer lending”, mais difundida no exterior. “Logo no início do texto [art. 1º, § 2º], a CVM diz que a instrução não regula ‘a atividade de empréstimos concedidos por pessoas físicas a pessoas físicas ou jurídicas por meio da rede mundial de computadores (…) que não envolva a emissão de valores mobiliários’. Com isso, a autarquia deixa claro que a regulamentação dessas atividades, conforme necessária, cabe ao Banco Central, já que não haveria emissão de valores mobiliários”, acrescenta George Michel Elder da Silva, advogado associado do escritório.

 

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Captação de Recursos Securitização startup Fintech Cascione Pulino Instrução 588 Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Governo planeja alterar cobrança de imposto de fundos exclusivos
Próxima matéria
O grande benefício das Ipsas para o Brasil




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Governo planeja alterar cobrança de imposto de fundos exclusivos
No último dia 15, o governo anunciou uma série de medidas para compensar o prognóstico de perda líquida de 42 bilhões...