BDRs não patrocinados: acesso direto ao mercado global via BM&FBOVESPA

B3 / Edição 48 / 16 de setembro de 2016
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

Os investidores brasileiros agora podem negociar mais 16 novas ações de companhias norte-americanas — como Alcoa, General Motors e UBS Group — através da BM&FBOVESPA. A Bolsa ampliou recentemente sua lista de programas de BDRs não patrocinados, que passa a contar com 122 empresas, volume médio diário negociado (ADTV) de R$ 15,4 milhões e estoque médio mensal de R$ 1,8 bilhão neste ano.

Além de acesso facilitado ao mercado internacional — isento dos custos relacionados à manutenção de infraestrutura no exterior —, os BDRs possibilitam elaboração de estratégias setoriais, diversificação dos investimentos e arbitragem entre os mercados local e estrangeiro. Outra vantagem é que o processo de compra e venda de BDRs é idêntico ao das ações, com negociação e liquidação em reais, mesmo lote de negociação (100 unidades) e mesmo ciclo de liquidação (três dias).

A ampliação da oferta de BDRs disponíveis na prateleira reflete a estratégia da Bolsa de buscar constantemente uma maior diversificação do portfólio de produtos. Estamos sempre atentos às necessidades apontadas pelo mercado e o cenário para os BDRs é favorecido por duas boas notícias recentes, que prometem impulsionar esse produto.

A primeira foi a publicação da Instrução 555 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que liberou o acesso dos investidores do segmento de varejo, por meio da aquisição de cotas de fundos de BDRs. Com essa medida, o mercado brasileiro deu um passo importante para disseminar essa alternativa de investimento, que antes era acessada apenas por investidores com pelo menos R$ 1 milhão de patrimônio financeiro.

A segunda boa notícia ainda é uma expectativa, mas que torcemos para que se concretize em breve. Estamos trabalhando para colocar os BDRs no rol dos ativos aceitos em garantia para as operações em Bolsa e a liquidez desse produto é favorável para isso.

Os BDRs Não Patrocinados são negociados tendo como referência seus respectivos ativos-lastro, o que faz com que sua liquidez seja totalmente baseada no mercado de origem dos ativos. Além disso, os BDRs contam com formadores de mercado, instituições financeiras independentes que garantem uma regularidade mínima de ofertas de compra e venda em todos os pregões.

Outro trabalho que a BM&FBOVESPA vem desenvolvendo junto aos participantes de mercado é a expansão dos programas de BDRs para além dos Estados Unidos. Hoje nosso portfólio tem apenas uma companhia de fora dos EUA (a mexicana Femsa) e nossa ideia é possibilitar que os investidores brasileiros tenham um acesso cada vez maior aos mercados estrangeiros.

Mais informações sobre BDRs não patrocinados?

André Demarco, diretor de Engenharia de Produtos, Serviços e Educação da BM&FBOVESPA



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  bmfbovespa BDR

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Oi anuncia novos conselheiros de administração
Próxima matéria
Tecnologias disruptivas: como tributar?




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Oi anuncia novos conselheiros de administração
Depois de semanas de imbróglio em torno da convocação de assembleias de acionistas da Oi, o fundo Société Mondiale,...