Equity crowdfunding: muito se discute, pouco se conclui

Esta coluna tem apresentado pontos relevantes sobre assuntos do mundo do empreendedorismo e do venture capital, expondo controvérsias jurídicas e suas alternativas de resolução. Alertamos, entretanto, que este texto terá algumas perguntas sem resposta. A principal delas: Estamos preparados para o …

V.C. & Empreendedorismo/Edição 132 / 1 de agosto de 2014
Por  e    /    Versão para impressão Versão para impressão


Esta coluna tem apresentado pontos relevantes sobre assuntos do mundo do empreendedorismo e do venture capital, expondo controvérsias jurídicas e suas alternativas de resolução. Alertamos, entretanto, que este texto terá algumas perguntas sem resposta. A principal delas: Estamos preparados para o investimento colaborativo?

O equity crowdfunding vem despertando a atenção do mercado de investimentos brasileiro por prometer uma democratização do acesso ao capital. Seria assunto tão simples, contudo, a ponto de permitir a participação abrangente de empreendedores e investidores de forma relativamente segura?

Como regra, o investimento colaborativo dá ao empreendedor iniciante a possibilidade de captar recursos com investidores, utilizando-se de plataformas virtuais de intermediação. Imaginemos que a startup pretenda levantar R$ 100 mil e cem pessoas queiram contribuir com R$ 1 mil cada. Começamos pela dificuldade da realização de investimento direto na aquisição de participação societária, seja pelas responsabilidades e riscos atrelados que o aplicador não está disposto a correr (por causa de possíveis problemas com futuros potenciais passivos gerados pela startup — bastante conhecidos de investidores profissionais, mas não tão óbvios para principiantes), seja porque uma sociedade com cem sócios, na largada, não seria viável.

Como toda novidade, o modelo não oferece segurança jurídica ao investidor

Outra possibilidade, então, seria um instrumento de dívida conversível. Mas como será tratado o momento de conversão dos inúmeros investidores? Todos terão que exercer o direito simultaneamente? Se não, o primeiro que converter será depois diluído pelos demais? Em futura rodada de investimentos com fundos de venture capital, estariam os gestores dessas carteiras dispostos a sacrificar seu direito em prol do direito dos investidores coletivos?

Descartadas as opções anteriores, exploremos então o contrato de opção. Esse instrumento dá ao investidor o direito de obter, no futuro, participação societária na startup por um valor pré-fixado. Além de padecer de problemas similares aos descritos na modalidade de dívida conversível, ele tem uma desvantagem adicional: se não houver a conversão da opção, o investidor simplesmente perderá o valor investido. Na dívida, caso ela não seja convertida, o investidor ainda tem um direito de crédito contra a startup.

Até mesmo a assinatura dos documentos de captação de recursos via crowdfunding, seja qual for a modalidade, pode trazer complicações e insegurança. É evidente a dificuldade de coletar assinaturas de documentos por pessoas que residem nas mais diversas localidades. E a assinatura eletrônica, que poderia facilitar o processo, não está suficientemente difundida no Brasil.

Como toda novidade, o modelo de equity crowdfunding ainda não oferece um marco legal suficientemente sólido para trazer segurança jurídica ao investidor. Em aparente contradição a tudo o que foi escrito acima, porém, somos entusiastas da nova dinâmica de acesso a recursos. Uma esperança: no último evento promovido por esta revista sobre o tema, o representante da CVM comentou sobre a possibilidade de incluir o assunto numa audiência pública dentro da comissão em 2015, com o propósito de debater a regulamentação (ou não) do tema. Quem sabe, a partir de então, poderemos ter um horizonte menos cinza sobre o assunto?


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  venture capital CAPITAL ABERTO mercado de capitais empreendedorismo startup captação segurança jurídica Equity crowdfunding investimento colaborativo dívida conversível contrato de opção Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Dê a sua opinião!
Próxima matéria
A quadratura do círculo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Dê a sua opinião!
[poll id="14"] Confira aqui a edição do mês de agosto >