Club deals: benefícios e cuidados

O que os gestores devem fazer para evitar que os investimentos conjuntos tragam transtornos

Private Equity/Boletins/Edição 99 / 1 de novembro de 2011
Por  e    /    Versão para impressão Versão para impressão


Os investimentos conjuntos tornaram–se mais uma opção para a atuação dos fundos de private equity (PE) nos últimos anos. Os também chamados club deals nada mais são do que consórcios entre vários fundos de PE para aquisição do controle de empresas.

Congregando esforços, os fundos de PE conseguem musculatura para investir em negócios que seriam grandes demais para um fundo só. Os club deals ainda permitem que os fundos consigam realizar tais investimentos sem comprometer todo o capital, mantendo a diversificação do seu portfólio. Outra vantagem é possibilitar que fundos com focos de atuação complementares compartilhem seus conhecimentos e suas experiências específicas em um determinado investimento. Por exemplo, uma companhia de tecnologia em má condição financeira pode ser adquirida por um fundo de PE com experiência em ativos de tecnologia em conjunto com um fundo focado em reestruturação de empresas com problemas financeiros.

A decisão de entrar em um club deal deve ser muito refletida pelos investidores. Uma das ponderações é quão disposto o fundo investidor está em compartilhar seu conhecimento com outros fundos — muitas vezes, potenciais concorrentes. Por mais que as partes mantenham sigilo quanto à sua experiência e seu conhecimento, haverá um intercâmbio de informações inevitável entre os consorciados, que certamente agrega valor ao investimento, mas pode não ser interessante do ponto de vista estratégico.

Além disso, é crucial que as expectativas dos fundos participantes estejam alinhadas. Um bom acordo de acionistas, que reflita de forma realista as expectativas das partes, é essencial. Os participantes deverão conviver e cooperar durante todo o processo de aquisição da empresa–alvo, administração do ativo e saída do investimento.

Os potenciais vendedores também devem se precaver. Alguns estudos indicam que a formação de clubes, em determinadas transações, diminuiu o valor ofertado pela empresa–alvo. Existem cuidados que podem garantir a competitividade no processo de venda e a maximização do valor ofertado pela empresa–alvo.

Por exemplo, os vendedores devem exigir que todos os interessados em receber os materiais de venda e em realizar auditoria assinem um contrato de confidencialidade que proíba a troca de informações e documentos com terceiros, sem o consentimento expresso dos potenciais vendedores.

Além disso, os potenciais vendedores devem elaborar cuidadosamente o material de venda e efetivamente controlar o processo. O material deve proibir que dois ou mais interessados se unam para apresentação de propostas conjuntas sem autorização dos vendedores, ou que se unam ao proponente que apresentou a proposta vencedora para a conclusão do negócio. Nada deve impedir, entretanto, que os potenciais vendedores autorizem a associação de investidores quando entenderem que essa união pode beneficiar o negócio. Outra proteção recomendável é limitar a participação de financiadores, evitando que bancos e outras fontes de financiamento se associem a mais de um potencial investidor simultaneamente.

Os club deals podem ser uma boa estratégia de investimento e adição de valor. O sucesso da operação, entretanto, depende de um encontro de mentalidades: do lado dos investidores, em relação aos objetivos do investimento; e da parte dos potenciais vendedores, quanto aos cuidados para manter o processo de venda competitivo.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity Club deals Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
CVM autoriza o Itaú a transferir ações da tesouraria para executivos
Próxima matéria
Letras Financeiras: um instrumento eficiente de captação de longo prazo para os bancos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
CVM autoriza o Itaú a transferir ações da tesouraria para executivos
A Itaú Unibanco Holding S.A. pediu autorização para, de forma privada, transferir ações de sua própria emissão, mantidas...