Saco de pancadas

27/2/2014

Blog da Redação/Blogs / 27 de fevereiro de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


O setor elétrico não para de levar bordoadas. Em 2012, as companhias do segmento viram seus investidores fugirem após a edição da MP 579. Para reduzir o preço da energia para o consumidor final, o governo federal alterou a tarifa dos contratos de concessão a serem renovados.  A chiadeira foi geral porque isso reduziu as margens do setor — até então, um nicho para investidores tradicionais, que buscam bons dividendos.  Neste verão, entraram em cena uma estiagem histórica e o retorno do fantasma do apagão. A mais recente pancada, no entanto, veio de Londres.

No dia 30 de janeiro, o IASB, órgão que emite as normas contábeis no padrão internacional, divulgou o IFRS 14. A norma permitiu que as companhias dos países novatos na adoção do IFRS reconheçam, provisoriamente, ativos regulatórios em seus balanços e deixou os brasileiros de péssimo humor.

Os tais “ativos regulatórios” são, principalmente, direitos contratuais das distribuidoras de energia. Trata-se de uma espécie de compensação: a companhia prestadora do serviço arca com eventuais aumentos de custo e é reembolsada, tempos depois, com reajustes tarifários.

Originalmente, o padrão IFRS não permite a contabilização destes ativos. Por isso, em 2010, quando o Brasil adotou a contabilidade internacional, as companhias do setor elétrico tiveram que dar baixa neles. Ainda que muitos não concordassem com a prática, prevaleceu a honrosa meta de aderir integralmente às normas e não criar nenhuma jabuticaba.

Agora, o IASB abriu uma exceção. A regalia tem endereço certo: viabilizar o ingresso do Canadá no rol de países que seguem o IFRS. O Brasil virou uma espécie de exceção da exceção. Traduzindo: ainda que a prática local seja a de contabilizar os ativos e passivos regulatórios, assim como no Canadá, as companhias brasileiras não podem usufruir do IFRS 14 porque o País já adota o padrão internacional. Por enquanto, não será possível voltar atrás e contabilizar os ativos que tornariam os balanços das elétricas mais fartos, enquanto as canadenses e demais novatas do grupo usufruirão do arrego contábil e parecerão mais ricas. O benefício da comparabilidade com pares internacionais acabou sendo jogado para escanteio.

A insatisfação ficou evidente hoje, durante a coletiva de imprensa que anunciou o Plano de Trabalho do CPC para 2014. De acordo com o professor Eliseu Martins, um dos principais responsáveis pela adoção do IFRS no Brasil, a “politicagem” internacional fez o País ser penalizado.

O castigo, neste caso, é um tanto injusto.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Iasb IFRS Balanços CAPITAL ABERTO mercado de capitais setor elétrico Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A solução para as notas (in)explicativas já existe!
Próxima matéria
Dê a sua opinião!



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
A solução para as notas (in)explicativas já existe!
Não só no Brasil, mas em quase todo o mundo, fala-se do excesso de notas explicativas, principalmente nos países que passaram...