Errata: "União instável"

2/12/2014



Na matéria “União instável” (ed. 135, novembro), publicamos o somatório dos contratos de royalties e fornecimento de equipamentos firmados entre a Usiminas e as empresas japonesas do bloco de controle (entre elas, a Nippon). Os dados foram extraídos do site de RI da companhia, que traz uma seção específica para esse tipo de transação. Questionada por leitores a respeito da consistência dos valores, a CAPITAL ABERTO apurou que a siderúrgica divulgou informações erradas. A reportagem refez os cálculos a partir do formulário de referência. Os valores são: R$ 694,7 milhões (2011), R$ 1,064 bilhão (2012), R$ 1,279 bilhão (2013) e R$ 497,6 milhões (2014). Os números contemplam apenas os contratos vigentes e não incluem empréstimos e transações com outras empresas do grupo Usiminas. Diferentemente do informado, portanto, o volume desses contratos não encolheu desde a entrada da Ternium na companhia (janeiro de 2012), mas, sim, de 2013 para 2014.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Amortização fiscal do ágio em subscrição de ações: é possível?
Próxima matéria
Não vale culpar a CVM



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Amortização fiscal do ágio em subscrição de ações: é possível?
As operações de subscrição de ações com ágio são muito comuns no aumento de capital das sociedades anônimas, como...