Uma ação, um voto: hora de repensar o paradigma?

7º Círculo de Debates – Dez/2013

Governança Corporativa/Artigos e Estudos / 21 de fevereiro de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


O mercado tem acompanhado de perto a tentativa da Azul de ofertar ações no mercado brasileiro. A companhia aérea teve sua emissão barrada pela área técnica da CVM em outubro, por causa da proposta inusitada de emitir ações preferenciais (PN) com 75 vezes mais vantagens econômicas do que as ordinárias (ON). O caso chama a atenção por levar o descasamento entre poder político e econômico ao extremo, mas não foi o único a mostrar o desfastio das companhias por emitir ações PN. A oferta da Votorantim Cimentos, cancelada em agosto, previa a emissão de ações ON e PN agrupadas na forma de units. Alupar e Via Varejo vieram a mercado usando a mesma estrutura. O avanço das captações com papéis preferenciais foi objeto do Círculo de Debates promovido em 3 de dezembro, na sede da capital aberto, com o tema “Uma ação, um voto: hora de repensar o paradigma?”. A seguir, os melhores trechos do encontro.

Participantes:
• Ana Novaes, diretora da CVM
• Carlos Ambrósio, diretor da Anbima e sócio da Claritas Investimentos
• Carlos Massaru Takahashi, diretor executivo da BBDTVM
• Erick Carvalho, superintendente responsável pela administração de fundos do Citi
• Alexei Bonamin, sócio do escritório Tozzini Freire

Você pode conferir na Edição 125 de Janeiro de 2014 a cobertura completa do evento na matéria “Revendo conceitos”.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Círculo de Debates uma ação um voto Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ser corrupto sai caro
Próxima matéria
Aconteceu, está no Facebook



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Ser corrupto sai caro
Mais um escândalo de corrupção estourou, desta vez envolvendo a Petrobras e a holandesa SBM Offshore. Um ex-funcionário...